BC reduz previsão de inflação para 2016 e 2017; repete que não há espaço para cortar juro

quinta-feira, 5 de maio de 2016 11:47 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central reduziu sua projeção para a inflação tanto para 2016 como para 2017, ficando "ao redor" do alvo de 4,5 por cento no ano que vem, mas reiterou não haver espaço para diminuição dos juros básicos diante de fatores como o nível elevado da inflação em 12 meses.

O BC manteve o discurso de cautela, mostrou a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) nesta quinta-feira, ao repetir que apesar dos avanços obtidos até agora no combate à inflação, especialmente quanto à contenção dos efeitos de segunda ordem dos ajustes de preços relativos, ainda não pode cortar a Selic.

"(O comitê) considera que o nível elevado da inflação em doze meses e as expectativas de inflação distantes dos objetivos do regime de metas não oferecem espaço para flexibilização da política monetária", trouxe a ata.

Na semana passada, o BC manteve a Selic em 14,25 por cento ao ano, patamar que segue desde julho de 2015, em decisão unânime pela primeira vez depois de três votações rachadas, indicação de que está pavimentando o caminho para afrouxar a política monetária só mais à frente.

O IPCA-15, prévia da inflação oficial do país, acumulou alta de 9,34 por cento nos 12 meses até abril, desacelerando sobre 9,95 por cento de março, mas ainda distante da meta do governo para este ano --4,5 por cento pelo IPCA, com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

O BC já havia informado esperar queda de dois pontos percentuais na inflação no primeiro semestre, embalada por fatores como a forte deterioração da economia e do mercado de trabalho, além da menor valorização do dólar frente ao real.

Em seu cenário de referência, o BC considerou o dólar em 3,55 reais, próximo ao patamar atual e já distante do nível de 3,95 reais considerado na reunião anterior do Copom.

Na pesquisa Focus mais recente, realizada pelo BC com uma centena de economistas todas as semanas, a projeção de alta para o IPCA em 2016 caiu pela oitava vez consecutiva, a 6,94 por cento; para 2017, ela estava em 5,72 por cento. Já a expectativa para a Selic é de 13,25 por cento no final deste ano e de 11,75 por cento de 2017.

No mercado de juros futuros, a curva aponta para o início do ciclo de afrouxamento da política monetária em agosto.   Continuação...

 
Sede do Banco Central do Brasil, em Brasília
23/09/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino