Agricultor aproveita câmbio e preços futuros para antecipar venda de soja de 2017

sexta-feira, 6 de maio de 2016 13:58 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - Produtores rurais de todo o Brasil aproveitaram uma combinação favorável nesta semana de bons preços internacionais da soja e dólar relativamente alto para fechar negócios com entrega do grão já para 2017, em um movimento recorde de vendas antecipadas, disseram operadores e analistas.

Nos cálculos da consultoria Informa Economics FNP, os negócios fechados para a nova temporada já alcançam entre 16 e 17 por cento da colheita potencial futura, algo nunca visto nesta época do ano, um bom indicador para a próxima temporada. Um ano atrás, o índice de comercialização da safra futura era de 4,2 por cento.

O primeiro contrato da soja na bolsa de Chicago tocou, no início da semana, a máxima desde julho de 2015. Já o contrato de soja com vencimento em março de 2017, que ajuda a balizar os negócios a médio prazo, atingiram o maior patamar em 16 meses, na esteira de notícias de problemas na safra da Argentina.

Ao mesmo tempo, o dólar recuou de máximas históricas vistas em janeiro, mas é negociado esta semana na faixa de 3,50 reais, 13 por cento acima do patamar visto um ano atrás.

"Saiu um bom volume (de negócios) essa semana. As cooperativas e cerealistas compram dos produtores e vendem no porto", disse o analista Mário Sperotto, da corretora Agrisoy, de Porto Alegre.

Segundo ele, muitos produtores buscam fechar negócios para garantir principalmente uma boa taxa de câmbio.

"Há poucas semanas estávamos com o dólar na casa de 4 reais. Hoje está na casa de 3,50 reais, mas a expectativa do mercado financeiro é de queda num médio prazo", afirmou Sperotto.

A soja da temporada 2015/16 acaba de ser colhida nas principais regiões do país e a maior parte dos negócios ainda é realizada envolvendo grãos disponíveis no mercado físico, que também é favorecido pela boa combinação entre preços em Chicago e câmbio.   Continuação...