Diretor da Eletrobras vai aos EUA para reuniões com SEC e Bolsa de NY

segunda-feira, 9 de maio de 2016 15:31 BRT
 

SÃO PAULO, 9 Maio (Reuters) - A estatal Eletrobras enviou comitiva aos Estados Unidos para reuniões com o órgão regulador do mercado de capitais norte-americano e com a Bolsa de Valores de Nova York, em meio a investigações sobre eventual prática de corrupção em contratos da companhia que poderiam submetê-la a punições pela legislação anticorrupção norte-americana.

Segundo despacho no Diário Oficial desta segunda-feira, participam da missão, entre 7 e 13 de maio, o diretor Financeiro e de Relações com Investidores, Armando Casado de Araujo, a chefe do departamento de RI, Paula Prado Couto, e o assistente da diretoria financeira, Arlindo Soares Castanheira, além do conselheiro Samuel Assayad Hanan.

A Eletrobras tem negociado com o regulador-norte americano e a bolsa de NY sobre o prazo para entrega de informações aos investidores norte-americanos da empresa, que detém recibos de ações (ADRs) negociados nos EUA.

A elétrica ainda não entregou o formulário 20-F, um documento obrigatório para empresas com ações listadas nos EUA, referente aos anos de 2014 e 2015, após denúncias de corrupção em projetos como a hidrelétrica de Belo Monte e a usina nuclear de Angra 3 levarem a estatal a contratar investigações internas sobre eventuais irregularidades.

Os empreendimentos foram alvo de investigações da Operação Lava Jato, que apura esquemas de corrupção envolvendo estatais e políticos do Brasil.

O presidente de uma subsidiária da companhia, a Eletronuclear, Othon Pinheiro, foi denunciado pelo Ministério Público Federal por corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e outros crimes.

Na última sexta-feira, a Eletrobras enviou comunicado ao mercado no qual disse que tem conversado com as autoridades dos EUA sobre o prazo para entrega dos documentos e demonstrado "as dificuldades enfrentadas...diante do atual ambiente sócio-político e econômico do Brasil".

Ainda de acordo com o comunicado, uma investigação interna comandada pelo escritório especializado Hogan Lowells "deverá estar substancialmente completa para o arquivamento dos formulários".

Na semana anterior, a estatal havia apresentado estimativa de entrega dos formulários 20-F até 18 de maio.   Continuação...