Bovespa fecha em queda de 1,4% pressionada por commodities e turbulência política

segunda-feira, 9 de maio de 2016 18:17 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou em queda nesta segunda-feira, pressionado particularmente pelas ações da Vale e da Petrobras na esteira do recuo das commodities, com a turbulência no quadro político adicionando volatilidade aos negócios.

A decisão do presidente em exercício da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), de suspender a sessão da Casa que aceitou o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff estressou brevemente o pregão local, levando o Ibovespa a recuar 3,5 por cento e abaixo de 50 mil pontos, na mínima do dia.

A piora, contudo, perdeu força em meio a dúvidas sobre sustentação da decisão do deputado e sinais de que a tramitação do processo no Senado seria mantido. Com isso, o Ibovespa reduziu as perdas e fechou em queda de 1,41 por cento, a 50.990 pontos. O volume financeiro do pregão somou 7,96 bilhões de reais.

"Foi um ruído desnecessário. A leitura é de que o governo está tentando tumultuar algo tido como certo e, com isso, o mercado fica apreensivo", disse o gestor Joaquim Kokudai, sócio na JPP Capital.

Perto do fechamento, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), manteve a tramitação do impeachment na Casa.

Para o gestor Marco Tulli Siqueira, da mesa de operações de Bovespa da Coinvalores, a volatilidade no pregão está dentro do esperado até que o processo de impeachment seja concluído, com o provável afastamento de Dilma.

DESTAQUES   Continuação...