Político e empresário do campo, Blairo tem desafio de elevar status da Agricultura

quinta-feira, 12 de maio de 2016 16:47 BRT
 

Por Roberto Samora e Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - A experiência política, empresarial e de agricultor bem-sucedido credenciam o agrônomo Blairo Maggi, nomeado ministro da Agricultura pelo presidente interino Michel Temer, a alçar o agronegócio a um patamar que nunca teve dentro de um governo no Brasil, o que permitiria ao gaúcho que fez carreira em Mato Grosso encaminhar temas complicados como uma modernização no crédito agrícola.

Na avaliação de lideranças do setor, o momento difícil pelo qual passa o país exige um líder de peso na Agricultura que converse de igual para igual com outros ministros --incluindo Fazenda e Relações Exteriores--, que conheça e tenha acesso fácil aos principais empresários e executivos do agribusiness e que ao mesmo tempo saiba ouvir as vozes do campo.

"O grande desafio para o Ministério da Agricultura é ser alçado à categoria de ministério de primeira grandeza. E o Blairo é a figura para que isso se torne uma realidade", afirmou o agricultor Ricardo Tomczyk, uma das lideranças da associação de produtores (Aprosoja) de Mato Grosso, que conheceu o novo ministro na região de Rondonópolis (MT), onde ele iniciou sua vida empresarial.

Natural de Torres, no Rio Grande do Sul, o novo ministro nasceu em 1956, numa família dos pequenos produtores rurais. Seguindo o pai, André Maggi, que apostou em terras inexploradas de Mato Grosso, Blairo graduou-se em agronomia e comandou a transformação da pequena Sementes Maggi no que hoje é o Grupo Amaggi, a maior negociadora de grãos de capital nacional, atuando também no plantio, processamento e logística de produtos agrícolas.

"Ele tem uma visão empreendedora, visão de mundo global e também conhecimento específico. Ele é produtor rural, apesar de ser um grande empresário, nunca deixou de ser produtor. Tem visão da porteira para fora invejável e da porteira para dentro muito grande", acrescentou Tomczyk, ex-presidente da associação de produtores de Mato Grosso, o principal Estado produtor de grãos do Brasil.

A experiência política de Blairo, senador recém-filiado ao PP, após dois mandatos como governador de Mato Grosso, é outro fator que deve colaborar para que o novo ministro seja bem-sucedido.

"Espero que ele possa conversar com o ministro Serra (Relações Exteriores), Meirelles (Fazenda) e Jucá (Planejamento) de igual para igual", disse o presidente da Sociedade Rural Brasileira, Gustavo Junqueira.

"Ele tem experiência política, vai poder ter interação muito mais próxima de outros ministérios", avaliou Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), acrescentando que isso facilitaria ao Brasil abrir mercados no exterior, algo fundamental para o agronegócio.   Continuação...