Bovespa fecha em alta de 0,9% com exterior e noticiário corporativo após afastamento de Dilma

quinta-feira, 12 de maio de 2016 17:44 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou com o seu principal índice em alta nesta quinta-feira, após o Senado aprovar abertura de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e afastá-la do cargo, com Michel Temer assumindo interinamente o comando do país.

O Ibovespa subiu 0,9 por cento, a 53.241 pontos, com bancos privados entre os principais suportes de alta. Na mínima, pela manhã, caiu 0,65 por cento.

O pregão foi marcado por noticiário corporativo intenso e influência do cenário externo, particularmente as oscilações em Wall Street e dos preços do petróleo.

O volume financeiro foi expressivo, somando 8,74 bilhões de reais, contra uma média diária de 7,2 bilhões de reais em 2016 e 6,7 bilhões de reais até agora em maio.

Investidores aguardam pronunciamento de Temer, particularmente potenciais anúncios de medidas no sentido de devolver o país à trajetória de equilíbrio fiscal e crescimento econômico.

O entendimento no mercado é de que, apesar dos desafios ainda significativos para a economia brasileira, a mudança do comando do país abre espaço para perspectivas mais favoráveis no longo prazo.

Na visão do time econômico do Credit Suisse, liderado por Nilson Teixeira, a articulação política será determinante para reversão da recessão.

"A reversão do cenário adverso requer aprovação de medidas no Congresso nas áreas da Previdência Social, do mercado de trabalho e do sistema tributário; atuações para elevar a produtividade da economia; e ações emergenciais para reduzir o déficit primário no curto prazo, englobando corte de gastos, redução das renúncias tributárias e alta de tributos", listou a equipe de Nilson Teixeira em relatório a clientes.   Continuação...