Economia do Brasil cai mais que o esperado em março e contrai 1,44% no 1º tri, aponta BC

sexta-feira, 13 de maio de 2016 09:22 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A economia brasileira encerrou o primeiro trimestre com forte contração, após recuar mais do que o esperado em março, informou o Banco Central nesta sexta-feira, mais um sinal de que a recuperação da atividade ainda não dá sinais.

O Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), contraiu 0,36 por cento em março sobre fevereiro em dado dessazonalizado, o 15º mês seguido de resultado mensal negativo, muito pior do esperado. A expectativa de analistas em pesquisa da Reuters era de queda de 0,10 por cento.

Com esse resultado, o IBC-BR fechou o primeiro trimestre com recuo de 1,44 por cento na comparação com os três últimos meses de 2015.

No quarto trimestre do ano passado, o PIB encolheu 1,4 por cento segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), fechando 2015 com contração de 3,8 por cento.

O IBGE divulga os números do PIB referentes ao primeiro trimestre deste ano no dia 1º de junho.

Na comparação com março de 2015, o IBC-Br caiu 6,64 por cento e em 12 meses acumula queda de 5,11 por cento, sempre em números dessazonalizados.

Praticamente todos os setores da economia brasileira ainda sofrem com a forte recessão. As vendas no varejo recuaram 0,9 por cento em março, fechando os três primeiros meses do ano com queda de 7,0 por cento, pior leitura trimestral desde o início da série histórica do IBGE em 2000.

Afundando ainda mais a economia, o setor de serviços caiu 5,9 por cento em março e terminou o primeiro trimestre com perdas acumuladas no ano de 5,0 por cento.

Após quinze semanas de piora, os economistas consultados na pesquisa Focus do BC melhoraram sua projeção para a economia neste ano, mas ainda assim a expectativa é de forte contração do PIB de 3,86 por cento. Para 2017 é esperado crescimento de 0,50 por cento.   Continuação...