China pede aconselhamento da Grã-Bretanha para criar super órgão regular do mercado financeiro

domingo, 15 de maio de 2016 17:03 BRT
 

HONG KONG/PEQUIM (Reuters) - A China pediu à Grã-Bretanha aconselhamento para o seu plano de criar um super-regulador financeiro, na medida em que busca melhorar a supervisão financeira na sequência do colapso da bolsa do ano passado, disseram fontes com conhecimento das conversações à Reuters.

As discussões entre representantes da China e do Ministério das Relações Exteriores e do Tesouro do Reino Unido destacam as crescente relações da Grã-Bretanha com Pequim sobre as questões financeiras, não obstante a gafe desta semana da rainha Elizabeth, que foi pega em câmara reclamando que as autoridades chinesas que acompanharam o presidente Xi Jinping em uma visita ao Reino Unido no ano passado foram "muito rude com o embaixador".

As conversações sinalizam crescente disposição de Pequim para procurar ajuda externa para melhorar a regulação da sua infraestrutura financeira, em uma tentativa de aumentar a transparência, reduzir o risco sistêmico e impedir que empresas se aproveitem das brechas regulatórias.

Várias fontes chineses e britânicas com conhecimento direto das conversações disseram que Pequim enviou delegações para Londres para estudar o quadro regulatório britânico, com duas fontes citando uma visita no primeiro trimestre.

Representantes do governo britânico também visitaram Pequim no mês passado para discutir questões financeiras, econômicas e regulatórias, disseram duas fontes com conhecimento da visita.

Debilidades na regulamentação chinesa foram expostas em meados do ano passado, quando os mercados de ações da China perdeu um terço de seu valor em um mês, após ter subido cerca de 150 por cento em 12 meses.

Governo e reguladores adotaram uma série de medidas para tentar conter o colapso do mercado, incluindo a limitação de vendas a descoberto.