Sabesp inicia discussões com Arsesp para reforma de estrutura tarifária

terça-feira, 17 de maio de 2016 17:17 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia de água e saneamento do Estado de São Paulo, Sabesp, iniciou discussões com a agência reguladora estadual Arsesp envolvendo o ciclo de revisão tarifária previsto para abril do próximo ano, afirmou nesta terça-feira o presidente da empresa, Jerson Kelman.

Em reunião com analistas do mercado e jornalistas, o executivo afirmou que um dos objetivos da Sabesp para o próximo ciclo é conseguir modificar a estrutura tarifária de forma que permita à empresa destravar investimentos em um momento em que o cenário de juros para captação de recursos cresce.

"A estrutura tarifária hoje tem uma série de deformações (...) uma delas é que um metro cúbico de água para setor público é muito mais caro do que para o setor doméstico", disse Kelman.

O executivo evitou fazer comentários sobre se esta revisão na estrutura tarifária trará elevação de tarifas para os consumidores, mas comentou que o "realismo tarifário" é uma das expectativas da Sabesp. "Não se dribla custos, não dá para empurrar com a barriga", afirmou.

Já o diretor financeiro da Sabesp, Rui Affonso, comentou que a companhia pretende cobrar a solução de pendências de ciclos passados de revisão do próximo ano. Além disso, a Sabesp deve incluir nas discussões com a Arsesp investimentos que a empresa foi forçada a executar durante a crise hídrica ocorrida entre 2014 e 2015, em que a empresa concedeu descontos a consumidores que economizaram e cobrou sobretaxas daqueles que consumiram mais água que a média do ano anterior.

"Ano que vem temos oportunidade de ouro de corrigir alguns aspectos defasados de nossa estrutura tarifária", disse Affonso.

A Sabesp anunciou na quinta-feira passada que encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de cerca de 629 milhões de reais, praticamente o dobro do obtido um ano antes, quando a empresa sentia os impactos da crise hídrica. O resultado veio depois do anúncio de reajuste de 8,45 por cento nas tarifas da empresa a partir de 12 de maio.

(Por Alberto Alerigi Jr.)