Indicação de Parente para Petrobras entusiasma mercado, mas sindicatos reagem

sexta-feira, 20 de maio de 2016 14:14 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A indicação de Pedro Parente para a presidência da Petrobras foi bem recebida pelo mercado financeiro e representantes da indústria, mas deve encontrar forte oposição de sindicalistas, que discordam ideologicamente do governo federal e do direcionamento que tem sido dado à estatal.

Parente teve seu nome anunciado pelo governo, acionista controlador da Petrobras, na noite de quinta-feira, quando prometeu em uma entrevista coletiva em Brasília que terá uma gestão "estritamente profissional", sem indicações políticas. [nL2N18G2EY]

"Pedro Parente representa um salto de qualidade na gestão da Petrobras", disse à Reuters Roberto Castello Branco, conselheiro da Petrobras em 2015 --durante a gestão do atual presidente, Aldemir Bendine-- e ex-diretor-financeiro da Vale.

Castello Branco, atualmente diretor-institucional da Fundação Getulio Vargas (FGV), destacou ainda que Parente é uma "pessoa séria" e experiente no governo.

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e o Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), que representa as petroleiras no país, enviaram notas à imprensa comemorando a escolha do executivo feita pelo presidente interino Michel Temer.

Nesta sexta-feira, as ações preferenciais da Petrobras subiam cerca de 1,5 por cento às 13:38.

O analista da corretora Brasil Plural Caio Carvalhal destacou que Parente é visto como "market friendly" e com experiência em empresas que enfrentam reestruturação.

Além disso, é conhecido por sua experiência em empresa de capital aberto e no governo.

Formado em engenharia, Parente, 63, foi ministro do Planejamento e da Casa Civil no governo do ex-presidente de Fernando Henrique Cardoso. Ele também presidiu a unidade brasileira da trading de commodities Bunge e atualmente é chairman da BM&FBovespa.   Continuação...

 
Pedro Parente, indicado para assumir a presidência da Petrobras, no Palácio do Planalto. 19/05/2016 REUTERS/Adriano Machado