Plataforma Cidade de Saquarema segue para campo de Lula, da Petrobras, diz SBM

segunda-feira, 23 de maio de 2016 12:03 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A plataforma de petróleo Cidade de Saquarema, afretada pela Petrobras com a companhia SBM Offshore para operar no campo de Lula, pré-sal da Bacia de Santos, deixou o cais do estaleiro Brasa, em Niterói, e está se dirigindo para alto-mar, informou a empresa fornecedora nesta segunda-feira.

Há mais de uma semana, a diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes, afirmou que a plataforma, com capacidade para produzir 150 mil barris de petróleo por dia (bpd), entraria em operação no terceiro trimestre deste ano.

A plataforma pertence e será operada por uma joint venture formada por SBM, com 56 por cento, Mitsubishi Corporation, com 20 por cento, Nippon Yusen Kabushiki Kaisha, com 19 por cento, e Queiroz Galvão Óleo e Gás, com os demais 5 por cento. O contrato de concessão e operação é de 20 anos.

Com a Cidade de Saquarema, a frota brasileira operada pela SBM chegará a sete unidades do tipo FPSO, com uma capacidade total de 870 mil bpd.

Maior campo produtor de petróleo do país, Lula extrai atualmente mais de 420 mil barris por dia.

Lula é operado pela Petrobras, com 65 por cento de participação, em parceria com a BG, petroleira britânica comprada pela Shell, com 25 por cento, e Petrogal (joint venture formada pela Galp Energia e pela Sinopec), com 10 por cento.

O contrato da plataforma Cidade de Saquarema foi firmado antes de uma série de denúncias de corrupção relacionadas à Petrobras virem à tona.

A SBM, que buscou um acordo de leniência com autoridades, é uma das companhias que teriam feito pagamentos a funcionários da estatal para obter contratos, tendo ficado impedida de realizar novas negociações por um período.

(Por Marta Nogueira)