Consumo privado e investimento em construção impulsionam crescimento da Alemanha no 1º tri

terça-feira, 24 de maio de 2016 08:39 BRT
 

Por Michael Nienaber

BERLIM (Reuters) - forte consumo privado e maiores investimentos em construção levaram a uma alta de 0,7 por cento no Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha no primeiro trimestre, mais do que compensando os efeitos do comércio externo mais fraco, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira.

Os gastos maiores do governo alemão com refugiados e as taxas de juros muito baixas do Banco Central Europeu (BCE) estão entre os fatores destacados por analistas para explicar a maior expansão trimestral em dois anos da maior economia da Europa.

"O cálculo dos consumidores é bem simples: se não há taxa de juros na conta bancária, então vamos encher a sacola de compras", disse o economista do VP Bank Thomas Gitzel, acrescentando que as empresas também aumentaram os investimentos no primeiro trimestre.

Confirmando a leitura preliminar, a Agência Federal de Estatísticas informou que os gastos do consumidor e o investimento em construção contribuíram cada um com 0,2 ponto percentual para o PIB no período entre janeiro e março.

Os custos de empréstimo em mínimas recordes estão encorajando um crescente número de alemães a superar uma tradicional aversão a comprar suas próprias casas e apartamentos, com alguns vendo os imóveis como um investimento atrativo.

Os gastos estatais - incluindo os custos de acomodação e integração da entrada recorde de mais de um milhão de imigrantes no ano passado - e o investimento empresarial em equipamentos e instalações contribuíram, cada, com 0,1 ponto percentual ao crescimento.

O economista do BayernLB Stefan Kipar apontou que os gastos com os imigrantes também estão influenciando outros componentes da estatística de crescimento do PIB.

"Os gastos maiores com os refugiados está elevando o consumo privado através do pagamento de benefícios sociais", disse ele. "E também está dando ao setor de construção um impulso adicional porque mais abrigos estão sendo construídos."