ENTREVISTA-Liberar capital estrangeiro em florestas plantadas pode atrair mais de US$19 bi, prevê Ibá

quarta-feira, 25 de maio de 2016 12:02 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - O setor de papel e celulose tem entre suas prioridades junto ao governo do presidente interino Michel Temer pedido para que seja liberado o investimento estrangeiro em florestas plantadas no país, o que poderia desbloquear mais de 19 bilhões de dólares em negócios no setor que ficaram travados nos últimos cinco anos.

De acordo com a presidente da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), Elizabeth de Carvalhaes, empresas de fora do Brasil que poderiam ampliar sua capacidade produtiva no país não o têm feito devido à limitação sobre as terras.

"Na minha última revisita ao setor, já temos mais de 19 bilhões de dólares represados", afirmou Elizabeth à Reuters.

A Ibá tem 15 multinacionais entre suas associadas.

Há cinco anos, um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) restringiu o uso de recursos externos para compra de terras agrícolas no Brasil, tanto por estrangeiros quanto por empresas nacionais controladas por capital internacional, o que vem travando os investimentos.

Segundo Elizabeth, o investimento potencial poderia ser liberado com a revisão desse parecer e a recuperação da economia.

"Esse setor (de papel e celulose) como um todo tem lançado uma fábrica nova a cada dois anos... Se aqui tem quinze multinacionais, por que elas estão deixando o mercado para os outros (nacionais)?", indagou Elizabeth, citando grupos com atuação no Brasil como International Paper e investidores como os Timber Investment Management Organizations e a gestora de ativos Brookfield, que tem 290 mil hectares em florestas sob gestão no Brasil.

Neste ano, a produtora brasileira de papéis Klabin iniciou as operações de nova fábrica de celulose no Paraná, enquanto Fibria e Eldorado Brasil, também de capital nacional, anunciaram investimentos para ampliar fábricas em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, com inauguração prevista para 2017 e 2018, respectivamente.   Continuação...