Infraero estima levantar R$5 bi com venda de participação em aeroportos, diz fonte

quarta-feira, 25 de maio de 2016 18:55 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A estatal aeroportuária Infraero espera concluir no segundo semestre os estudos para vender uma parcela da fatia que possui em cinco grandes terminais e estima obter cerca de 5 bilhões de reais com a operação que pode ocorrer a partir do fim deste ano, disse à Reuters uma fonte a par do assunto.

"A fonte secou. Não dá mais para ninguém, nesse cenário fiscal, ficar dependendo de recursos do Tesouro Nacional. Tem que andar com as próprias pernas, ser rentável, competitivo e dar retorno", afirmou a fonte, em condição de anonimato.

A preferência, segundo a fonte, é realizar uma venda direta a um sócio estratégico, embora as análises também considerem uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de uma sociedade que abrigue os 49 por cento que a Infraero possui nos terminais de Galeão (Rio de Janeiro), Viracopos (Campinas), Guarulhos (São Paulo), Brasília (DF) e Confins (Belo Horizonte).

"É dinheiro na veia. Até porque não há necessidade de fazer negócio com um operador aeroportuário, esses terminais já têm os seus", afirmou a fonte, acrescentando que bancos como Bank of America Merrill Lynch, Citibank e fundos de pensão já teriam manifestado interesse em um eventual negócio com a Infraero.

Nos últimos anos, a Infraero vem precisando de aportes do Tesouro para fechar suas contas e ajuda para garantir o pagamento das parcelas anuais das outorgas dos terminais já concedidos em que a estatal tem participação minoritária. No governo da presidente afastada Dilma Rousseff, os terminais de Galeão, Viracopos, Guarulhos, Brasília e Confins foram concedidos ao setor privado, mas a Infraero manteve 49 por cento de participação nos aeroportos através de sociedades de propósito específico (SPEs).

A Infraero estaria disposta a negociar até 25 por cento de uma sociedade que reunirá a participação minoritária que possui nos cinco terminais.

Procurada pela Reuters, a Infraero disse que não tinha comentários imediatos a fazer sobre a reportagem.

 
Homem caminha em novo terminal do aeroporto internacional do Galeão, no Rio de Janeiro
19/05/2016 REUTERS/Pilar Olivares