Dólar amplia alta e volta a R$3,61 após Yellen, de Fed, indicar alta de juros

sexta-feira, 27 de maio de 2016 15:46 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ampliou um pouco a alta nesta sexta-feira, mas não voltou a tocar as máximas do dia, com operadores aumentando as apostas de que o Federal Reserve pode elevar os juros já em junho após a chair do banco central dos Estados Unidos, Janet Yellen, afirmar que aumentos devem ser apropriados nos próximos meses.

Às 15:14, o dólar avançava 0,84 por cento, a 3,6140 reais na venda, mas continuou abaixo das máximas da sessão, quando subiu mais de 1 por cento e chegou a 3,6307 reais.

Imediatamente antes das declarações de Yellen, a moeda norte-americana era negociada abaixo dos 3,60 reais e com alta de cerca de 0,3 por cento. À tarde, o dólar futuro subia cerca de 0,7 por cento.

A moeda norte-americana havia subido 0,61 por cento na quarta-feira e voltado a encostar em 3,60 reais, maior patamar em mais de um mês e meio.

"Yellen ficou na linha do que vínhamos ouvindo de outros membros do Fed, apontando para a possibilidade de subir juros em breve", disse o economista da corretora Renascença Marcos Pessoa.

Em evento em Boston, Yellen afirmou que o Fed deve elevar os juros "nos próximos meses" se o crescimento econômico melhorar como o esperado e se o mercado de trabalho continuar a se fortalecer.

Os juros futuros dos EUA passaram a apontar chance de 34 por cento de aumento de juros em junho após as declarações, contra 30 por cento antes.

O aperto monetário nos EUA pode atrair para a maior economia do mundo recursos atualmente aplicados em países como o Brasil, que se beneficiam de juros elevados.   Continuação...

 
Funcionário de um banco conta notas de dólar em Hanói, Vietnã
16/05/2016 REUTERS/Kham