Dólar cai 0,92% e volta abaixo de R$3,60 com baixo volume e fiscal melhor que o esperado

segunda-feira, 30 de maio de 2016 17:29 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda de quase 1 por cento e voltou abaixo de 3,60 reais nesta segunda-feira, após o superávit primário do governo central superar de longe as expectativas de analistas em abril, em sessão marcada por baixo volume de negócios devido a feriado nos Estados Unidos.

O dólar recuou 0,92 por cento, a 3,5779 reais na venda, após chegar a 3,6171 reais na máxima e 3,5739 reais na mínima do dia. A moeda norte-americana havia subido 0,38 por cento na sessão passada e voltado a superar 3,60 reais.

O dólar futuro caía cerca de 0,7 por cento. Foram negociados cerca de 160 mil contratos, bem abaixo da média diária de pouco mais de 300 mil apurada em abril.

"No meio de tantas notícias ruins, é bom ter uma novidade positiva no que tange ao fiscal", disse o superintendente de derivativos da corretora de um banco nacional.

"Não é como se todos os problemas tivessem desaparecido, mas em um dia mais vazio como hoje acaba servindo de motivo para os mercados melhorarem", acrescentou.

O governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social) registrou superávit primário de 9,751 bilhões de reais em abril, bem acima do saldo positivo de 600 milhões de reais projetado por analistas em pesquisa da Reuters.

O dado ajudou a moeda norte-americana a ampliar a queda frente ao real, após alternar entre leves altas e baixas durante toda a primeira metade da sessão em meio à liquidez reduzida. Os mercados norte-americanos não abriram nesta segunda-feira devido ao feriado de "Memorial Day".

"Com os EUA parados, o mercado aqui fica bem devagar", disse o superintendente regional de câmbio da corretora SLW João Paulo de Gracia Corrêa.

Operadores afirmaram que os negócios foram influenciados também pela briga pela Ptax de maio, taxa calculada pelo BC no último pregão do mês, na terça-feira, que serve de referência para diversos contratos cambiais. Conforme se aproxima o fim do mês, investidores costumam disputar para deslocar as cotações a patamares favoráveis a suas posições.   Continuação...