Estrangeiros devem seguir usando ETFs para aplicar em ações brasileiras, vê BNP Asset

quinta-feira, 2 de junho de 2016 16:29 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Investidores estrangeiros devem continuar utilizando fundos de índice, conhecidos como ETFs, para aplicar em ações brasileiras no curto prazo em vez de comprarem papéis diretamente, avalia o chefe da área de renda variável para América Latina do BNP Paribas Asset Management Brasil, Frederico Tralli.

Ele observa que as estratégias de alocação global estão mais atreladas a questões macroeconômicas, notadamente a política monetária dos Estados Unidos e o ritmo da economia da China, o que faz com que fundos globais olhem o Brasil dentro de um contexto de mercados emergentes versus mercados desenvolvidos.

"Tem prevalecido a decisão com base nesses valores", disse o gestor. Ele acrescentou que os investidores dedicados, que conhecem mais a fundo os países e adotam estratégias com foco mais direcionado, têm ficado fora de emergentes, como é o caso do Brasil, à espera de fundamentos mais atrativos.

ETFs (Exchange Traded Funds) são fundos espelhados em índices como o Ibovespa ou o MSCI Brasil, que têm suas cotas negociadas na bolsa. Eles permitem que o investidor aplique em diferentes ações comprando apenas uma cota.

Em 2016, o ETF iShares MSCI Brazil acumula uma alta ao redor de 25 por cento. Até o final de abril, esse ganho superava 40 por cento. A correção no mês passado acompanhou um movimento visto em outros mercados emergentes. Na bolsa paulista, o Ibovespa recuou 10 por cento em maio.

Tralli viu o desempenho de maio como um ajuste do exagero gerado pela conjunção do otimismo com a troca do governo e ambiente de alta de commodities e fraqueza do dólar no exterior que predominou nos três meses anteriores.

"Quem estava demasiadamente otimista com o novo comando do país ficou mais conservador", acredita, com o noticiário recente gerando incertezas com o futuro da condução política e como isso afetará a agenda de votações no Congresso Nacional.

  Continuação...