Ilan Goldfajn é aprovado para presidência do BC e defende tripé econômico

terça-feira, 7 de junho de 2016 22:28 BRT
 

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O indicado à presidência do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta terça-feira que o objetivo da autoridade monetária será o de cumprir plenamente a meta de inflação "mirando o seu ponto central", destacando que a manutenção de nível baixo e estável de inflação é condição essencial para o crescimento sustentável.

Em discurso na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, onde foi sabatinado pelos parlamentares, Ilan disse ainda que haverá "respeito ao regime de câmbio flutuante" caso assuma o BC e também defendeu a reconstituição do tripé macroeconômico.

"Considero haver praticamente consenso de que é preciso reconstruir o quanto antes o tripé macroeconômico formado por responsabilidade fiscal, controle da inflação e regime de câmbio flutuante, que permitiu ao Brasil ascender econômica e socialmente em passado não muito distante", afirmou ele.

A indicação de Ilan foi aprovada pela CAE, depois de quatro horas de sabatina, pelo placar de 19 votos a favor e 8 contra. No plenário, sua indicação foi aprovada por 56 votos a favor e 13 contra. Para que o ex-economista-chefe do banco Itaú assuma o cargo, sua nomeação precisa ser publicada no Diário Oficial da União, no qual também sairá a exoneração do atual presidente da autoridade monetária, Alexandre Tombini.

Após o discurso de Ilan na CAE, o dólar BRBY passou a cair frente ao real, com alguns operadores entendendo que ele teria indicado ser favorável a menos intervenções no mercado de câmbio e, assim, estaria confortável com a moeda abaixo de 3,50 reais. [nL1N18Z0KM]

Depois de dizer que as reservas internacionais são um seguro que vale a pena manter em momentos de incerteza, Ilan assinalou que, passado esse período mais turbulento, uma análise sobre o nível ótimo desse colchão seria "debate extremamente oportuno" devido ao custo de sua manutenção. Ele fez a mesma avaliação sobre o estoque de swaps cambiais.

Ilan disse o cenário atual é desafiador, com níveis de instabilidade política e econômica superiores à média histórica. Mas considerou que as medidas recém-anunciadas pelo governo interino de Michel Temer estão na direção correta, completando que a eficiência da política monetária será tanto maior quanto mais bem-sucedidos forem os esforços na implementação de reformas estruturais e na recuperação fiscal.

Ilan afastou a ideia de que o país vive período de estagflação e ressaltou que atravessa umas das piores recessões de sua história. Ele também descartou a situação de dominância fiscal, em referência à avaliação de que a política monetária estaria perdendo eficácia por conta dos desarranjos nas contas públicas.   Continuação...

 
Ilan Goldfajn, indicado à presidência do Banco Central, em reunião da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado
07/06/2016 REUTERS/Adriano Machado