GE passa a produzir inversor para energia solar no Brasil; mira também exportação

quinta-feira, 9 de junho de 2016 16:45 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A norte-americana GE passou a produzir inversores para usinas de energia solar em sua fábrica de Betim, em Minas Gerais, em uma aposta no desenvolvimento da indústria de geração renovável no Brasil e também na possibilidade de exportações a partir do país, afirmou um executivo à Reuters.

Embora o anúncio venha em um momento em que parte dos investidores em usinas fotovoltaicas tenta negociar um adiamento de prazos para as obras, devido à alta dos custos com a desvalorização cambial, a GE acredita que o desenvolvimento da tecnologia solar no país é apenas uma questão de tempo.

"É inevitável, um caminho sem volta... há um comprometimento político, via acordos internacionais, de se investir em energia renovável. A GE não faria esse investimento se não visse um potencial forte tanto para exportação quanto para o mercado local", afirmou o diretor comercial da divisão Power Conversion da GE para América Latina, Sérgio Zuquim.

Os inversores, um dos mais importantes componentes de usinas fotovoltaicas, convertem a energia gerada pelas placas solares em corrente contínua, para que a produção possa ser injetada na rede elétrica. O equipamento da GE foi certificado pelo programa de conteúdo local do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o que permite que os clientes possam financiar o produto em condições atrativas.

Segundo Zuquim, a companhia já fechou quatro contratos de fornecimento dos equipamentos junto a empresas que participaram de leilões promovidos pelo governo nos últimos dois anos para a construção de usinas fotovoltaicas.

Ele destacou que o Brasil possui um dos maiores potenciais globais para energia solar, enquanto outros países próximos também têm investido na expansão dessa tecnologia, como o Chile, que também tem condições bastante favoráveis a essa forma de geração principalmente no deserto do Atacama.

O crescimento das renováveis na América Latina, inclusive, é um dos fatores por trás da produção da GE no Brasil, que poderá atender outros países da região.

"Podemos utilizar o Brasil como plataforma de exportação, para que a gente possa se beneficiar de acordos comerciais com mercados latino-americanos, aproveitando a desvalorização do real", afirmou Zuquim.   Continuação...