Situação da Eletrobras é "insustentável" e governo prepara venda de ativos

sexta-feira, 10 de junho de 2016 13:47 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A situação da estatal de energia Eletrobras, que enfrenta prejuízos bilionários desde 2012, é "insustentável" e exigirá uma revisão do tamanho e do papel da empresa no país, afirmou nesta sexta-feira o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

Ele adiantou que o governo prepara um plano de vendas de ativos da companhia que deverá começar com empresas de distribuição e fatias minoritárias em usinas e linhas de energia.

O ministro negou, no entanto, que existam planos neste momento para vender as maiores subsidiárias da estatal que atuam em geração e transmissão de energia --Furnas, Chesf, Eletronorte e Eletrosul.

"Não vamos fazer uma liquidação da Eletrobras", disse Coelho Filho a jornalistas após participar de reunião com o vice-governador de São Paulo, Márcio França, e empresas de energia no Palácio dos Bandeirantes.

"Mas tem sim determinação de redefinir o papel e o tamanho da empresa."

Segundo ele, o governo vai preparar o processo de privatizações com apoio do Ministério do Planejamento, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do próprio ministério e seus órgãos técnicos, como a estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

A ideia é iniciar as vendas pela distribuidora de energia Celg-D, que atende o Estado de Goiás, cuja privatização já havia começado a ser preparada pelo governo Dilma Rousseff, que chegou a definir um preço mínimo para a empresa e contratar o BNDES para apoiar o processo, mas não chegou a publicar o edital.

"O processo vai começar com a Celg, até porque já está bem encaminhado, mas não vai parar por aí, a ideia é seguir adiante... a Eletrobras tem cerca de 180 SPEs (Sociedades de Propósito Específico), as mais diversas... São ativos importantes, valiosos e não faz sentido na situação que a empresa está manter todas essas SPEs", disse Coelho Filho.   Continuação...

 
Prédio da Eletrobras no centro do Rio de Janeiro. REUTERS/Pilar Olivares