Problemas em safras da América do Sul reduzem estoques de soja e milho dos EUA

sexta-feira, 10 de junho de 2016 14:56 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - As ofertas norte-americanas de milho e soja serão mais apertadas que o esperado nos Estados Unidos, após problemas nas safras do Brasil e Argentina causarem aumento na demanda de compradores estrangeiros por produtos dos EUA, informou o Departamento de Agricultura dos EUA nesta sexta-feira.

Em seu relatório mensal de oferta e demanda, o governo dos EUA reduziu suas projeções de estoques finais da nova safra e a da velha, para ambos milho e soja, em mais do que os analistas haviam previsto.

Os contratos futuros do milho e da soja subiram brevemente após o relatório ter sido divulgado, com o contrato mais ativo da soja atingindo o pico de 12,0850 dólares por bushel, sua máxima desde 30 de junho de 2014, antes de recuarem para níveis anteriores ao relatório.

Os investidores rapidamente indicaram aumentos para a área de plantio de soja nos EUA neste ano, esperando que produtores lucrem devido ao rali de preços.

Para o milho, o USDA disse que os estoques finais para 2015/16 seriam de 1,708 bilhão de bushels, uma queda ante a previsão de maio, de 1,803 bilhão de bushels. O órgão reduziu sua projeção de estoques finais de milho 16/17 para 2,008 bilhões de bushels, ante 2,153 bilhões de bushels.

O USDA diminuiu sua previsão para a colheita da safra de milho 15/16 do Brasil, em 3,5 milhões de toneladas, para 77,5 milhões de toneladas, e a previsão da colheita de soja do Brasil em 2 milhões de toneladas, para 97 milhões de toneladas, refletindo a seca em importantes áreas produtoras. Os cortes superaram as estimativas.

Os estoques da antiga safra de soja foram reduzidos para 370 milhões de bushels, ante 400 milhões de bushels. Os estoques da nova safra foram reduzidos para 260 milhões de bushels, ante 305 milhões de bushels.

(Por Mark Weinraub; reportagem adicional por Tom Polansek)