Comercializadoras de energia ignoram crise e dobram estrutura com queda no preço

segunda-feira, 13 de junho de 2016 12:27 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - Consultorias especializadas em gestão de energia elétrica e comercializadoras de eletricidade têm passado ao largo da crise que se abateu sobre a economia brasileira, com diversas empresas investindo para dobrar os quadros, ampliar a estrutura ou abrir filiais neste ano.

O movimento é impulsionado por um vigoroso crescimento do mercado livre de eletricidade, no qual os clientes buscam energia mais barata por meio de contratos negociados diretamente com os fornecedores, como usinas geradoras e comercializadoras.

Os preços desses contratos livres estão no menor nível em anos devido à menor demanda da indústria e às boas chuvas, que aumentam a oferta de geração hidrelétrica, enquanto as tarifas cobradas pelas distribuidoras de energia no mercado regulado subiram mais de 50 por cento apenas em 2015.

O mercado livre responde por cerca de 24 por cento do consumo de energia do país e movimentou cerca de 55 bilhões de reais em 2015, estimou a Abraceel, entidade que reúne investidores do setor.

As empresas do segmento estimam que esse mercado possibilita uma economia de cerca de 30 por cento nos custos com energia.

"Essa é uma das poucas, senão a única fonte de redução de custo que as empresas têm neste momento... estamos sentindo uma onda de migração muito grande e estamos capturando um pedaço disso. Nossa carteira de clientes sob serviço de gestão vai praticamente dobrar neste ano", afirmou à Reuters o sócio da comercializadora Compass, Marcelo Parodi.

Segundo a consultoria Dcide, os contratos livres de longo prazo para energia convencional estão 36 por cento mais baratos que em junho de 2015, enquanto contratos de geração renovável têm queda de 23,5 por cento ante o ano passado.

Essas cotações facilitam o trabalho das gestoras e comercializadoras, que têm como uma de suas principais atividades convencer novas empresas de médio e grande porte a comprar energia no mercado livre.   Continuação...