FlyHelo quer levar viagens de jatos executivos via aplicativo para além de SP neste ano

sexta-feira, 17 de junho de 2016 13:31 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia brasileira de tecnologia FlyHelo pretende lançar nos próximos dias voos com jatos executivos para as principais capitais do país, ampliando operações em um mercado que possui a terceira maior frota de aviões executivos do mundo, segundo afirmou o presidente da empresa, Hadrien Royal.

A empresa foi lançada em maio na capital paulista, atuando em parceria com operadoras de aeronaves e oferecendo via aplicativo Helo voos que incluem a capital paulista e o litoral norte do Estado.

"Vimos que não tinha nenhuma solução digital para agilizar a gestão de aviação executiva no Brasil e viemos como uma ideia de trazer uma solução para este mercado", disse Royal. "Lançamos a empresa há cerca de um mês e já fizemos 50 voos de helicópteros para litoral e interior de São Paulo."

Segundo ele, com a ampliação da oferta para jatos, a perspectiva é ter 300 voos até as Olimpíadas.

Royal afirmou que atualmente voam na aviação comercial privada no Brasil 120 milhões de passageiros por ano, com a ponte aérea Rio-São Paulo uma das maiores do mundo em volume de passageiros. Além disso, ele calcula a frota executiva no Brasil em mais de mil aeronaves.

A empresa negocia com investidores estrangeiros para reforçar sua estrutura de capital, disse o executivo francês sem dar detalhes sobre as negociações.

"Estamos completando um movimento estratégico neste sentido (...) mas pretendemos ter uma estrutura completamente brasileira", disse Royal.

Atualmente a empresa opera voos com jatos executivos entre São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória e João Pessoa, e deve lançar nos próximos dias mais capitais do país.

A companhia obtém receita por meio de comissões acertadas com as empresas operadoras, disse Royal. O preço de um assento em um voo com jato executivo para seis passageiros entre os aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dummont (RJ) sai por 1.490 reais por usuário. O funcionamento é semelhante ao de voos charter, em que não é necessário passar por balcões de check-in.   Continuação...