Gol estima que participação de detentores de bônus em nova oferta será alta, diz CFO

segunda-feira, 20 de junho de 2016 11:15 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia aérea Gol entende que os novos termos da oferta de troca de dívida anunciados nesta segunda-feira vão gerar uma participação alta de investidores, o que deverá ajudar a empresa a reduzir despesas com juros nos próximos dois anos, afirmou o vice-presidente financeiro da empresa, Edmar Lopes Neto.

Segundo o executivo, a nova oferta é final e atende a "100 por cento dos pontos levantados pelos detentores" dos bônus. A empresa pretende seguir com a oferta até o vencimento em 1o de julho, independente do nível de adesão, disse ele.

Os termos da oferta anterior, anunciada no início de maio, previam uma redução de até 70 por cento no valor de face dos títulos emitidos pela Gol, que tem como meta troca de até 780 milhões de dólares.

Depois da empresa adiar o prazo da operação por várias vezes desde então, em meio a um nível baixo de aceitação dos detentores de bônus, a companhia divulgou mais cedo novos termos que representam aumento ante a oferta inicial de até 84 por cento para os detentores de papéis com vencimentos em 2020, 2022 e 2023 e de até 79 por cento para os detentores de notas perpétuas.

As ações da Gol exibiam alta de cerca de 2 por cento às 10h45, enquanto o Ibovespa, índice do qual não fazem parte, tinha valorização de 1,8 por cento.

Questionado sobre o que permitiu à Gol a melhorar os termos da oferta, que passou a incluir prêmios vinculados à performance da empresa, eventual troca de controle da companhia e juros maiores, Lopes citou a expectativa de aceitação elevada dos investidores.

"A moeda de pagamento é nova dívida (...) Isso tudo é uma estrutura cujo impacto financeiro maior se dará a partir de dois anos, dois anos e meio, que continua sendo o tempo que precisamos para nos recuperar", disse o executivo.

"Com participação elevada, economizamos juros, o impacto no curto prazo é pequeno. Tudo o que fizemos vai levar a uma participação maior (dos detentores de bônus) e maior economia de juros no curto prazo, o que certamente ajudará a companhia nos proximos dois anos", acrescentou.

Até sexta-feira passada, apenas 135,5 milhões de dólares de títulos, do objetivo da permuta de 780 milhões, tinham mostrado interesse na operação.   Continuação...