Yellen reafirma cautela sobre juros por referendo britânico e desaceleração de contratações

terça-feira, 21 de junho de 2016 12:18 BRT
 

Por Howard Schneider e Jason Lange

WASHINGTON (Reuters) - Os riscos internacionais e a desaceleração das contratações nos Estados Unidos justificam uma postura cautelosa para elevar os juros enquanto o Federal Reserve, banco central norte-americano, busca confirmação de que a recuperação econômica do país continua, disse nesta terça-feira a chair do Fed, Janet Yellen.

Em discurso preparado para pronunciamento no Comitê Bancário do Senado, Yellen descreveu como o banco central foi desviado do curso semanas depois de elevar os juros em dezembro por uma desaceleração no crescimento doméstico e por eventos internacionais, incluindo preocupações com a economia da China e o colapso dos preços do petróleo.

Algumas dessas dúvidas permanecem, disse Yellen em declarações que parecem sinalizar que não há necessidade premente de o Fed elevar os juros.

Antes de novo aperto monetário, disse ela, o Fed precisa ter certeza de que o crescimento econômico dos EUA e as contratações recuperaram força, e que não há choque com o resultado do referendo sobre a permanência da Grã-Bretanha na União Europeia, em 23 de junho.

"O ritmo de melhora do mercado de trabalho parece ter desacelerado mais recentemente, sugerindo que nossa postura cautelosa... permanece apropriada", disse Yellen.

"Proceder cautelosamente ao elevar os juros vai nos permitir manter o suporte monetário ao crescimento econômico enquanto avaliamos se o crescimento está voltando a um ritmo moderado, se o mercado de trabalho vai se fortalecer mais e se a inflação continuará a progredir".

Com a economia global fraca, a produtividade baixa nos EUA e outros fatores que seguram os juros no longo prazo, Yellen disse que a taxa básica de juros do Fed provavelmente permanecerá baixa "por algum tempo".

O pronunciamento de Yellen será seguido de perguntas de parlamentares sobre a política monetária, a economia, questões regulatórias e provavelmente outros assuntos.

Além de questões crônicas como a baixa produtividade e o envelhecimento da população, o referendo britânico é considerado um possível sinal de alerta para a economia global caso resulte na decisão de a Grã-Bretanha cortar seus laços com a União Europeia.

Um voto pela saída da UE "pode ter repercussões econômicas significativas", uma perspectiva que em parte levou o Fed a manter os juros na reunião de política monetária da semana passada, disse Yellen.

 
Chair do Fed, Janet Yellen, em Washington.   21/06/2016        REUTERS/Carlos Barria