BC vê menor déficit em transações correntes em 2016; saída do Reino Unido da UE não pesa

sexta-feira, 24 de junho de 2016 12:39 BRT
 

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central melhorou nesta sexta-feira novamente sua projeção para o déficit em transações correntes do Brasil para este ano, a 15 bilhões de dólares, 10 bilhões de dólares a menos do esperado até então, diante da balança comercial mais forte, ajudada pela fraqueza da economia.

Se confirmado, será o melhor resultado desde 2007, quando houve superávit de 408 milhões de dólares. No ano passado, o rombo na conta corrente do país ficou em 58,882 bilhões de dólares.

Nem mesmo a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (UE), que pode causar impactos negativos na economia global, muda esse cenário para o BC. O chefe do departamento Econômico da autoridade monetária, Tulio Maciel, afirmou que, em termos de fundamentos, o impacto no curto prazo é "muito limitado".

Ele lembrou que o fluxo comercial do país com o Reino Unido responde por cerca de 1,5 por cento do total.

A decisão do referendo britânico tem gerado oscilações no preço dos ativos no mercado, mas o BC está preparado para esse tipo de situação, disse Maciel. Ele acrescentou ainda que o "regime de câmbio flutuante tem se mostrado exitoso nesta espécie de contexto".

Com o dólar mais alto frente ao real e com a atividade deprimida, as importações vêm caindo em ritmo acentuado no Brasil. Num reflexo dessa dinâmica, o BC passou a ver superávit comercial de 50 bilhões de dólares neste ano, ante estimativa de 40 bilhões de dólares.

O BC também ajustou as contas para o Investimento Direto no País (IDP) no ano, a 70 bilhões de dólares, acima dos 60 bilhões de dólares da última vez em que fez estimativas sobre as contas externas, em março.

A queda do déficit em transações externas é positiva pois implica menor necessidade de financiamento internacional para a economia, deixando o país menos exposto à volatilidade dos mercados.   Continuação...