Ministro de Finanças da China vê saída britânica da UE acentuando incertezas para mercados

domingo, 26 de junho de 2016 10:33 BRT
 

Por Ben Blanchard e Kevin Yao

PEQUIM/TIANJIN, China (Reuters) - Políticos e economistas chineses mostraram preocupações neste domingo com a votação pela saída do Reino Unido da União Euopeia (UE), com o ministro das Finanças chinês dizendo que isso aumentou a incerteza do mercado, embora alguns esperem um impacto limitado sobre a economia chinesa.

A decisão pela saída da UE "vai lançar uma sombra sobre a economia global... As repercussões e consequências vão emergir nos próximos cinco a 10 anos", disse Lou Jiwei, ministro das Finanças da China, na primeira reunião anual do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, em Pequim.

"É difícil prever agora", disse ele. "A reação automática do mercado é provavelmente um pouco excessiva e precisa se acalmar e ter uma visão objetiva."

As visões de Lou foram ecoadas pela autoridade de planejamento econômico da China e por outros economistas, no Fórum Econômico Mundial, na cidade de Tianjin.

"Para as empresas chinesas que vão investir ou realizar fusões, os empresários são mais espertos do que eu, e eles vão certamente esperar para ver", disse Xu Shaoshi, presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, no Fórum no domingo.

"O incidente da saída britânica vai afetar a economia da China através do investimento, do comércio e de capital", disse ele. "Mas eu acredito que o impacto não será grande e departamentos relevantes do governo fizeram planos de contingência."

Huang Yiping, professor da Universidade de Pequim e membro do comitê de política monetária do banco central, disse que é difícil avaliar o impacto direto do referendo britânico sobre a economia da China.

"Se (a saída da UE) é um marco importante em termos de uma reversão da globalização, eu acho que é muito ruim para o mundo, é muito ruim para a China ", disse Huang.