Dólar cai e se aproxima de R$3,20; fecha junho com queda de 11%, maior perda mensal em 13 anos

quinta-feira, 30 de junho de 2016 18:21 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda pelo terceiro dia seguido e se aproximou de 3,20 reais nesta quinta-feira, marcando em junho o maior recuo mensal em 13 anos devido à ausência do Banco Central do mercado de câmbio e ao otimismo cauteloso dos investidores em relação ao Brasil.

O dólar recuou 0,73 por cento, a 3,2133 reais na venda, menor nível de fechamento desde 21 de julho de 2015 (3,1732 reais).

A moeda norte-americana acumulou queda de 11,05 por cento no mês, maior recuo mensal desde abril de 2003. No segundo trimestre, despencou 10,65 por cento, maior baixa trimestral desde o segundo trimestre de 2009 (-15,35 por cento), acumulando no semestre perda de 18,61 por cento.

Operadores acreditam, no entanto, que a moeda norte-americana não deve se afastar muito desses patamares no curto prazo, seja para cima ou para baixo. Embora incertezas sobre o futuro do Reino Unido após a opção por deixar a União Europeia (UE) permaneçam, a perspectiva de estímulos no resto do mundo tende a manter as cotações perto das mínimas em quase um ano.

"A impressão que dá é que o mercado virou a chave em relação ao Brasil", disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold. "Pode haver exageros, como vimos hoje mais cedo, mas se o BC continuar ausente e não tivermos grandes surpresas na política, parece que o dólar de fato mudou de patamar".

O mercado brasileiro tem mostrado desempenho melhor do que seus pares na América Latina desde o início do ano, com operadores apostando que o governo interino do presidente Michel Temer será capaz de limitar os gastos e colocar a economia de volta nos trilhos.

Mesmo escândalos políticos envolvendo figuras de alto escalão do governo não foram suficientes para dissuadir os operadores, apesar da perspectiva de que dificultem a aprovação de medidas de austeridade fiscal.

A inação do BC, sob o comando de Ilan Goldfajn, no mercado cambial diante do recuo recente da moeda norte-americana também vem contribuindo para manter o dólar em patamares baixos. Muitos operadores esperavam que a autoridade monetária agisse para amortecer a queda do dólar, com medo de impactos sobre as exportações.   Continuação...

 
Casa de câmbio no Rio de Janeiro
9/5/2016 REUTERS/Ricardo Moraes