Joint venture do BB e Banco Votorantim planeja fazer R$7 bi em consignado por ano

quinta-feira, 30 de junho de 2016 20:20 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A Promotiva, joint venture do Banco do Brasil com o Banco Votorantim, iniciou recentemente sua operação em larga escala e já está gerando cerca de 500 milhões de reais mensais em crédito consignado, disse um executivo à Reuters.

"A nossa meta é que essa média suba para 600 milhões de reais até o fim do ano", disse o diretor comercial da Promotiva, Ricardo Lot.

A Promotiva é um veículo para vender produtos do BB a não correntistas, ocupando um segmento no qual o banco tem sido pouco competitivo com rivais privados. Em breve, a promotora de vendas deve começar a ofertar seguros, capitalização, plano odontológico e cartões de crédito.

O plano original era que o negócio tivesse começado a operar já no começo do ano passado, com estrutura própria em cada Estado do país, logo após ter recebido aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Mas devido a fatores como a crise econômica e à discussão do modelo de negócios com os correspondentes bancários, o negócio foi redimensionado, e começou a operar em no segundo trimestre deste ano. Hoje, a equipe própria da Promotiva tem cerca de 40 pessoas.

A promotora de vendas é a aposta do BB para calibrar seu negócio de consignado, uma das poucas linhas de crédito cuja expansão tem resistido à recessão econômica e que hoje responde por cerca de 14 por cento dos financiamentos do banco a pessoas físicas. Com a ajuda da promotora, o banco espera que essa fatia chegue a 20 por cento num cenário não muito distante.

Mesmo diante da maior cautela do setor com o crédito com desconto em folha, dada a crise financeira que tem levado governos regionais a atrasar o pagamento do funcionalismo, um dos principais públicos-alvo do produto, os bancos ainda veem o negócio como comparativamente menos arriscado do que linhas como cheque especial, por exemplo.

"Vamos explorar os segmentos de mercado cuja rentabilidade é menor e não interessa tanto para atendimento pela estrutura bancária; esses o BB vai passar pra nós", disse Lot. "Nos casos em que não for possível vender o consignado, podemos trabalhar com o CDC salário."

Diferente do consignado, que vale apenas para casos em que o empregador tem convênio com o banco, no Crédito Direto ao Consumidor (CDC) salário é o próprio tomador que acerta o crédito com a instituição financeira.   Continuação...