PF cumpre mandados contra Eldorado Celulose e prende doleiro ligado a Cunha

sexta-feira, 1 de julho de 2016 09:47 BRT
 

(Reuters) - A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira operação no âmbito da Lava Jato para cumprir um mandado de prisão preventiva e 19 de busca e apreensão, tendo entre os alvos a Eldorado Celulose e um doleiro ligado ao presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

A Eldorado é controlada pela holding de empresas da família Batista, a J&F, que também controla a processadora de carne JBS (JBSS3.SA: Cotações), mas a JBS informou em comunicado que não é alvo da operação das autoridades.

Diversas reportagens tinham dito mais cedo nesta sexta que a JBS estaria entre os alvos da ação. Procurada, a Eldorado informou que está preparando comunicado sobre a ação da PF.

A operação, chamada Sépsis, foi deflagrada a pedido da Procuradoria-Geral da República e autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, relator na corte das ações decorrentes da Lava Jato, de acordo com a PGR.

Os mandados judiciais foram expedidos para os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco, além do Distrito Federal. A PGR não divulgou os nomes dos envolvidos.

Segundo reportagens, a PF cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do presidente da holding J&F, Joesley Batista, e também prendeu um doleiro ligado ao deputado suspenso Eduardo Cunha, que é réu da Lava Jato no STF.

A operação teria como base a delação premiada no âmbito da Lava Jato do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto, apadrinhado político de Cunha, de acordo com a mídia.

Em relatos preliminares para uma possível delação premiada divulgados pela mídia em abril, Cleto disse, segundo reportagens, que Cunha cobrava propina em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS.

Cleto passou a negociar um acordo de delação premiada com as autoridades da operação Lava Jato após ser alvo de mandado de busca e apreensão da PF em dezembro do ano passado, pouco após ser exonerado do cargo na Caixa.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro; Reportagem adicional de Alberto Alerigi Jr.)

 
Carro da Polícia Federal no Rio de Janeiro. 28/07/2015 REUTERS/Sergio Moraes