Indústria registra queda em pedidos para exportação e segue em contração em junho, mostra PMI

sexta-feira, 1 de julho de 2016 10:05 BRT
 

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O setor industrial brasileiro registrou ritmo recorde de corte de empregos e interrompeu seis meses de altas nos pedidos para exportação, permanecendo em contração, de acordo com o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgado nesta sexta-feira.

De acordo com o Markit, o PMI da indústria brasileira subiu a 43,2 em junho contra a mínima em 87 meses de 41,6 em maio, alcançando o 17º mês seguido abaixo da marca de 50 que separa crescimento de contração.

"Faz agora quase um ano e meio desde a última vez que a produção industrial brasileira aumentou, e os dados do PMI de junho sugerem que a contração continua acentuada", destacou a economista do Markit Pollyanna De Lima em nota.

"Algumas melhoras domésticas serão necessárias antes que se fale seriamente que uma recuperação pode começar."

O volume de pedidos voltou a recuar em junho, pelo 17º mês seguido, em meio às condições econômicas difíceis e tanto com o mercado interno quanto o externo apresentado fraqueza.

Já o volume de negócios para exportação caiu pela primeira vez desde novembro, no ritmo mais forte desde de outubro de 2011, com os entrevistados citando a forte concorrência nos mercados globais.

Com as necessidades de produção mais baixas e iniciativas de redução de custos, os empresários do setor industrial cortaram empregos em junho pela 16ª vez, à taxa mais forte desde o início da pesquisa em fevereiro de 2006.

Os preços de venda, entretanto, continuaram a subir no mês passado diante das cargas mais elevadas dos custos, com o dólar elevado pressionando os preços das matérias-primas importadas. Assim, a inflação de preços cobrados atingiu recorde de alta de quatro meses em junho.

Ainda assim, as expectativas do setor vêm melhorando, segundo pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV). Em junho, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) do Brasil medido pela instituição atingiu o nível mais alto desde fevereiro de 2015.