Wall St sobe com cautela do Fed e dados favoráveis nos EUA

quarta-feira, 6 de julho de 2016 18:29 BRT
 

Por Marcus E. Howard

(Reuters) - Os principais índices acionários dos Estados Unidos fecharam em alta nesta quarta-feira, com avaliações de que o Federal Reserve não deve elevar juros em breve, apesar de dados econômicos mostrarem que a maior economia do mundo recuperou ritmo no segundo trimestre.

O índice Dow Jones .DJI subiu 0,44 por cento, a 17.918 pontos, enquanto o S&P 500 .SPX ganhou 0,54 por cento, a 2.099 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq .IXIC avançou 0,75 por cento, a 4.859 pontos.

A ata da reunião de política monetária do Fed de junho, que aconteceu antes do referendo britânico sobre a saída da União Europeia (UE), mostrou desconforto geral com a votação, além de uma desaceleração severa nas contratações por empresas nos EUA. [nL1N19S1JX]

Membros do Fed também disseram que devem esperar para elevar os juros até que tenham clareza sobre as consequências do referendo britânico. Desde a votação, ações tem mostrado volatilidade em Wall Street, enquanto investidores migraram para ativos mais seguros, como ouro XAU=, e os rendimentos de títulos de longo prazo do governo dos EUA US30YT=RR atingiram mínimas recordes.

Somando-se à visão de juros persistentemente baixos, o diretor do Fed Daniel Tarullo disse nesta quarta-feira que não há necessidade de alta de juros até que a inflação esteja mais sólida. [nL1N19S0UE]

A maioria dos índices setoriais do S&P 500 subiu nesta sessão, liderados pelo ganho de 1,2 por cento do setor de saúde .SPXHC. As altas de 2,0 por cento nas ações da Merck (MRK.N: Cotações) e de 4,3 por cento nas da Celgene (CELG.O: Cotações) foram as principais influências positivas para o índice setorial.

O Facebook (FB.O: Cotações) subiu 2,4 por cento, para 116,70 dólares, e deu o maior impulso ao Nasdaq e ao S&P 500.

O índice do setor de energia do S&P 500 .SPNY subiu 0,6 por cento, com o avanço dos preços do petróleo.

A atividade no setor de serviços dos EUA atingiu a máxima em sete meses em junho, conforme os novos pedidos avançaram e as empresas contrataram mais, sugerindo que a economia norte-americana recuperou ritmo no segundo trimestre. [nL1N19S19D]