Uninter, 2a maior em EAD, arruma a casa de olho em mercado após fusão Kroton-Estácio

segunda-feira, 11 de julho de 2016 17:32 BRT
 

Por Juliana Schincariol

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A paranaense Uninter, segunda maior companhia de ensino a distância no Brasil, está se preparando para enfrentar nos próximos meses o resultado da fusão das duas maiores empresas de ensino superior privado do país e tem buscado parcerias que dêem fôlego financeiro para empresa buscar aquisições em um mercado mais concentrado.

A companhia conta hoje com 170 mil alunos de ensino a distância e 450 polos, detendo fatia de 9,1 por cento do mercado de EAD no Brasil. Apesar de ser segunda maior no setor, a empresa já estava distante dos 561 mil alunos EAD da Kroton antes do anúncio da compra pela empresa da Estácio, que tem 164 mil estudantes no segmento.

A consolidação ocorre em um momento de forte crescimento na participação do EAD no mercado de ensino brasileiro. Segundo dados da consultoria Hoper Educação, a fatia do ensino superior a distância no Brasil passou de 1,3 por cento em 2003 para 17,1 por cento em 2014. Para os próximos anos até 2018, a estimativa da consultoria é de crescimento entre 10 e 15 por cento do EAD.

"Com este grande bloco que está se formando (Kroton-Estácio), tenho consciência de que vou ter que me organizar para formar um bloco também. Quero concorrer com ele, não ser engolido", disse à Reuters o presidente da Uninter, Wilson Picler.

"Enquanto isso, estou pondo a casa em ordem, me preparando para minha vez de jogar", disse o executivo, acrescentando que a companhia tem se focado em realizar um forte corte de custos e em aumentar as margens de lucro. "Quando os deveres de casa estiverem feitos, será o momento de conversar com possíveis 'players' (participantes do mercado) para a gente formar mais um grupo", disse Picler.

Além da área de EAD, a Uninter tem 5,5 mil estudantes em ensino presencial. Também faz parte do grupo uma editora de educação superior, a InterSaberes, com mais de 500 títulos no catálogo, que também atende a concorrência.

Na sexta-feira, o Conselho de Administração da Estácio aceitou a proposta de compra pela Kroton, em um negócio avaliado em 5,5 bilhões de reais, o que reforçará a dominância da Kroton sobre o setor, ao formar uma empresa com cerca de 1,6 milhão de estudantes presenciais e EAD.

Questionado sobre eventuais ofertas recebidas pela Uninter diante da consolidação do setor de ensino, Picler disse que nos últimos anos já recebeu muitas propostas de outros grupos de ensino e fundos de investimentos, mas recusou.   Continuação...