Forças turcas tentam esmagar últimos remanescentes do golpe após retorno de Erdogan

sábado, 16 de julho de 2016 09:50 BRT
 

ISTAMBUL/ANKARA (Reuters) - Forças leais ao governo da Turquia lutaram neste sábado para esmagar os últimos remanescentes de uma tentativa de golpe militar que entrou em colapso depois que multidões responderam ao apelo do Presidente Tayyip Erdogan para tomar as ruas e dezenas de rebeldes abandonaram seus tanques.

Mais de 160 pessoas foram mortas, incluindo muitos civis, depois que uma facção das forças armadas tentou tomar o poder usando tanques e helicópteros de ataque. Alguns metralharam a sede da inteligência e do parlamento na capital, Ancara, e outros apreenderam uma grande ponte em Istambul.

Erdogan acusou os golpistas de tentarem matá-lo e lançou um expurgo das forças armadas.

"Eles vão pagar um preço alto por isso", disse Erdogan, que também viu os protestos públicos em massa contra seu governo há três anos. "Essa revolta é uma dádiva de Deus para nós, porque isso vai ser uma razão para purificar o nosso exército."

Um ministro do governo disse que alguns comandantes militares ainda estavam sendo mantidos como reféns pelos conspiradores. Mas o governo declarou a situação está totalmente sob controle, dizendo 161 pessoas foram mortas e 2.839 militares haviam sido detidos, incluindo aqueles que tinham formado "a espinha dorsal" da rebelião.

(Reportagem de Humeyra Pamuk, Ayla Jean Yackley, Nick Tattersall, David Dolan, Akin Aytekin, Tulay Karadeniz, Can Sezer, Gulsen Solaker, Ece Toksabay, Murad Sezer, Ercan Gurses, Nevzat Devranoglu, Dasha Afanasieva, Birsen Altayli, Asli Kandemir e Orhan Coskun, Reportagem adicional de Sue-Lin Wong, Ben Blanchard e Rozanna Latiff)