Rodrigo Maia quer que Câmara vote emenda sobre teto de gastos públicos, diz Folha

sábado, 16 de julho de 2016 11:49 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O novo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou ao jornal Folha de S.Paulo, em edição publicada neste sábado, que a Casa precisa votar a proposta de emenda à Constituição (PEC) do teto para a ampliação dos gastos públicos e avançar ao máximo na Previdência, mas que antes de encaminhar a reforma, o governo precisa de uma estratégia de comunicação.

"Tem que mostrar como a responsabilidade fiscal impacta a vida das pessoas", afirmou ao jornal o deputado, eleito como presidente da Casa na madrugada de quinta-feira para suceder o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"Desde a aprovação da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), o equilíbrio fiscal deixou de ser questão ideológica para ser questão de Estado", afirmou na entrevista.

A PEC do limite de gastos é um dos temas legislativos prioritários do governo do presidente interino Michel Temer, que pretende aprovar a proposta ainda este ano. A PEC precisa ser aprovada por três quintos dos votos em dois turnos de votação na Câmara e depois mais dois turnos com a mesma maioria no Senado.

Rodrigo Maia também disse ao jornal ser contra o aumento de impostos.

"Ninguém consegue pagar mais imposto. Sou contra recriar a CPMF. Espero que o governo não faça este pleito, porque eu terei muita dificuldade de encaminhá-lo. A solução para superar a crise não é aumentar a receita. É reestruturar o Estado e reduzir despesas", afirmou.

Sobre o projeto que retira a obrigatoriedade da Petrobras ser a única operadora do pré-sal, Rodrigo Maia afirmou na reportagem que irá pautá-lo.

De autoria do senador licenciado e atual ministro das relações Exteriores, José Serra, o projeto precisa passar pelo plenário da Câmara para seguir à sanção presidencial.

"A Petrobras está endividada, e o Brasil precisa atrair capital estrangeiro", afirmou à Folha.   Continuação...