Previ está inclinada a vender fatia na CPFL à State Grid, dizem fontes

terça-feira, 19 de julho de 2016 09:25 BRT
 

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - A Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil, está inclinada a aceitar a oferta da State Grid por sua participação na CPFL Energia, elétrica na qual o maior fundo de pensão do Brasil tem uma participação de 29,4 por cento, afirmaram à Reuters nesta terça-feira duas fontes com conhecimento do assunto.

Altos funcionários da Previ elaboraram um rascunho de documento em que recomendam aceitar a proposta de 25 reais por ação da CPFL feita pela State Grid, disseram as fontes, que falaram sob a condição de anonimato, uma vez que o tema permanece em discussão.

A Previ, que administra 155 bilhões de reais em poupança para funcionários do Banco do Brasil, tem que decidir sobre o assunto antes do fim de julho, disseram as fontes. Paulo Rogério Caffarelli e Gueitiro Genso, os principais executivos do banco e da Previ, respectivamente, discutiram o assunto recentemente, adicionaram as fontes.

A assessoria de imprensa da Previ e do Banco do Brasil informaram que não comentariam as informações.

No início deste mês, a State Grid, maior empresa de energia elétrica do mundo, anunciou acordo para comprar a participação de 23,6 por cento da Camargo Correa SA na CPFL por 5,9 bilhões de reais. Sob os termos de um acordo de acionistas, a State Grid tem de estender a mesma oferta aos demais sócios, incluindo a Previ e um veículo de investimento chamado Bonaire - que tem quatro outros fundos de pensão estatais.

A decisão da Previ de aceitar a proposta da State Grid poderia atrair os outros fundos para o negócio e desencadear uma aquisição dos papéis dos acionistas minoritários, disseram as fontes. O acordo será assinado somente após a State Grid concluir procedimentos de due diligence, e caso a Previ e outros fundos renunciem a seus direitos de concorrer pela CPFL, disse uma das fontes.

A maioria dos fundos de pensão estatais está desesperadamente à procura de dinheiro em meio à recessão mais severa do Brasil desde a década de 1930 e a perdas recordes em seus investimentos no ano passado.

A mesma fonte disse que State Grid poderia pagar 25 bilhões de reais por 100 por cento da CPFL, além de assumir cerca de 15 bilhões de reais em dívidas da elétrica. O acordo também dá à State Grid o controle da CPFL Renováveis ​​SA, uma empresa de energia renovável na qual a CPFL detém uma participação de 52 por cento.

A transação está sujeita à aprovação regulatória e antitruste.