Dólar tem leves variações ante real em dia misto no exterior

quarta-feira, 20 de julho de 2016 10:59 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar alternava entre leves altas e baixas frente ao real nesta quarta-feira, em um dia também de movimentos mistos nos mercados externos após a pressão vista na véspera e com investidores aguardando pistas sobre os próximos passos da política econômica no Brasil.

Às 10:57, o dólar avançava 0,08 por cento, a 3,2616 reais na venda, após fechar em alta de 0,22 por cento na sessão anterior. A moeda norte-americana chegou a 3,2640 reais na máxima e a 3,2443 reais na mínima do dia. O dólar futuro avançava cerca de 0,3 por cento nesta manhã.

"O mercado está mais quieto e a agenda está mais vazia. É melhor sentar e esperar", disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold.

No cenário local, o marasmo de notícias no front político por conta do recesso parlamentar branco mantinha o foco sobre qual serão as medidas adotadas pelo presidente interino Michel Temer para conter os gastos públicos e estimular a economia brasileira.

"O foco agora está nas medidas que o governo pode anunciar daqui para frente. Cada vez mais é necessário que a confiança que o mercado deu para o governo seja sancionada por medidas concretas", disse o operador de uma corretora internacional, referindo-se ao otimismo que o mercado vem demonstrando com o governo.

Outro foco nesta quarta-feira é a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, a primeira sob o comando de Ilan Goldfajn. Operadores esperam que a Selic seja mantida em 14,25 por cento, mas buscarão no comunicado --que virá sob novo formato-- indicações sobre quando a taxa básica de juros começará a cair.

O BC mais uma vez vendeu nesta manhã 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, repetindo a operação que realizou em todos os pregões neste mês exceto um.

No exterior, após uma sessão de pressão na véspera, investidores mostravam alguma tranquilidade nesta manhã. Ainda assim, o dólar avançava frente às principais moedas emergentes em meio a expectativas de altas de juros nos Estados Unidos neste ano.