Eldorado lucra R$414 mi no 2o tri e vê preços de celulose em alta até fim do ano

quinta-feira, 21 de julho de 2016 20:01 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Eldorado Celulose, mais recente produtora do país do insumo usado na produção de papel, reverteu resultado negativo de um ano antes no segundo trimestre, apoiada por volume recorde de vendas e estimou que os preços do insumo terão alta gradual até o final do ano.

A companhia teve lucro líquido de 414 milhões de reais de abril ao final de junho, revertendo resultado negativo de 5,7 milhões de reais sofrido no mesmo período do ano passado, quando iniciou a construção de uma segunda linha de produção do insumo.

A empresa, que está se preparando para uma possível abertura de capital (IPO), teve ainda um incremento de 23 por cento na geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), a 469 milhões de reais. A margem no período passou de 45 para 58 por cento.

"O trimestre foi mais uma vez muito bom (...) O mercado global continua com demanda crescente e o nosso recorde de vendas permitiu uma redução de mais de 100 mil toneladas em nosso estoque", disse o presidente-executivo da Eldorado Celulose, José Carlos Grubisich.

Segundo ele, o volume de celulose vendida no segundo trimestre, de 465 mil toneladas, ajudou a compensar a valorização recente do real contra o dólar e queda nos preços internacionais.

Para os próximos meses, o executivo estima que o mercado se mostrará mais demandante de celulose diante da queda nos estoques mundiais do insumo, o que deve ajudar a firmar um movimento de alta progressiva nos preços da celulose.

"O mercado estabilizou em termos de preços em maio, em junho já vimos um aumento real efetivo sobretudo na Ásia. Acreditamos que as condições de mercado com aumento da demanda e o efeito da sazonalidade do retorno das férias no Hemisfério Norte o pior já está para trás", acrescentou Grubisich.

Na terça-feira, dados da consultoria finlandesa Foex mostraram estabilidade nos preços da celulose na China nesta semana e analistas do BTG Pactual afirmaram em nota a clientes que enxergavam quadro difícil para a commodity no curto prazo.

De acordo com a consultoria, citada pelo BTG, os preços na China ficaram estáveis, a 515,6 dólares a tonelada. Na Europa, os preços da celulose de fibra curta subiram 3,8 dólares, para 681,3 dólares a tonelada.   Continuação...