Pressão para BC japonês afrouxar política monetária se intensifica com ministro pedindo ação

quinta-feira, 28 de julho de 2016 10:06 BRT
 

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - A pressão política sobre o banco central do Japão para expandir o estímulo na sexta-feira está se intensificando, com o ministro da Economia pedindo ao banco para trabalhar com o governo no intuito de impulsionar a economia.

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, enviou uma "mensagem poderosa" ao anunciar um pacote de estímulo de 28 trilhões de ienes (267 bilhões de dólares) na quarta-feira, disse o ministro da Economia, Nobuteru Ishihara, segundo a imprensa japonesa horas após o anúncio.

O número foi maior do que os mercados esperavam.

"Eu acho que as pessoas no Banco do Japão vão levar isso em consideração e tomar uma decisão apropriada. Acho que o (presidente do banco central Haruhiko) Kuroda entende que o mundo está observando", disse ele em uma aparição na televisão na quarta-feira, segundo a agência de notícias Kyodo.

As declarações sugerem que o anúncio antes do esperado do pacote econômico de Abe foi uma tentativa do governo de pressionar o Banco do Japão a expandir o estímulo na reunião de política monetária que termina na sexta-feira.

O anúncio de Abe do pacote impulsionou as bolsas japonesas na quarta-feira e reforçou as expectativas do mercado de que o banco central vai combinar o estímulo fiscal com outra dose de expansão monetária.

Mas o pacote é inflado por 15 trilhões de ienes de empréstimos de instituições financeiras semigovernamentais, garantias de empréstimos e subsídios a empresas privadas, disseram fontes à Reuters.

Os gastos fiscais diretos serão de apenas cerca de 7 trilhões de ienes, apenas um quarto do pacote total, segundo as fontes, o que pode decepcionar alguns players do mercado que esperam gastos maiores.