Preços, custos e clima geram incerteza sobre plantio de milho no RS

quinta-feira, 28 de julho de 2016 17:58 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Produtores de milho do Rio Grande do Sul enfrentam incertezas sobre a área de plantio da próxima safra, de acordo com boletim da Emater/RS publicado nesta quinta-feira.

O Rio Grande do Sul é o principal produtor de milho no Brasil durante o verão e não realiza plantio no inverno.

Segundo a Emater, os bons preços e a grande demanda pelo grão, aliados à baixa oferta, além de fatores agronômicos, como a diversificação de culturas, são pontos favoráveis ao plantio de uma área maior no Estado.

Por outro lado, produtores ouvidos pela entidade citam o alto custo de plantio da lavoura e os possíveis riscos climáticos de um fenômeno La Niña como fatores que podem limitar a área de plantio de milho no Estado.

Emater/RS e Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ainda não divulgaram estimativas oficiais sobre intenções de plantio para a temporada 2016/17.

O La Niña, o fenômeno oposto ao El Niño, consiste em uma aceleração dos ventos equatoriais que provoca um esfriamento do Pacífico do Equador e chuvas abaixo da média na Argentina, Paraguai, Uruguai e no Sul do Brasil, bem como fortes precipitações em outras partes do mundo.

Contudo, meteorologistas afirmam que como até o meio deste houve um intenso fenômeno El Niño, o seu contrário feminino deverá se estabelecer a partir de dezembro e em uma versão amenizada, o que afastaria temores de condições climáticas extremas no Sul do Brasil.

(Por Laís Martins)