Desemprego vai a 11,3%, renda cai e Brasil fecha 2ª tri com 11,6 mi de pessoas sem trabalho

sexta-feira, 29 de julho de 2016 11:24 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Patricia Duarte

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A taxa de desemprego brasileira subiu a 11,3 por cento no segundo trimestre deste ano, renovando a máxima da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, iniciada em 2012, ao mesmo tempo em que a renda média voltou a cair, indicando que o mercado de trabalho ainda sofre com a forte recessão econômica do Brasil e sem sinais de mudança de tendência.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também informou nesta sexta-feira que o país tinha 11,586 milhões de desempregados no trimestre passado.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de que a taxa de desemprego atingisse 11,3 por cento no segundo trimestre, segundo a mediana das projeções, contra 11,2 por cento nos três meses até maio.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2015, o quadro negativo fica ainda mais claro, quando a taxa de desemprego foi de 8,3 por cento.

Segundo o coordenador da pesquisa do IBGE, Cimar Azeredo, no primeiro trimestre há dispensas sazonais, com temporários, mas isso não ocorre no segundo trimestre.

"Não tem Carnaval ou algo que justifique a dispensa (no segundo trimestre). Era de se esperar uma recuperação do mercado", disse a jornalistas.

A Pnad Contínua mostrou que a renda média mensal de todos os trabalhadores foi a 1.972 reais entre abril e junho, frente aos 1.997 reais vistos no trimestre até maio. Sobre o segundo trimestre de 2015, a queda foi ainda mais expressiva, de 4,2 por cento.

Além da contração da atividade econômica, o Brasil também sofre as consequências da inflação elevada, que corrói o rendimento.   Continuação...

 
Mulher olhando quadro em agência de empregos em Itaboraí.    31/03/2015      REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo