Mexicana Alpek pode pagar até US$700 mi por ativos petroquímicos da Petrobras, diz fonte

sexta-feira, 29 de julho de 2016 20:03 BRT
 

Por Tatiana Bautzer

SÃO PAULO (Reuters) - A oferta da mexicana Alpek para aquisição de duas unidades petroquímicas da Petrobras em Pernambuco pode chegar a 700 milhões de dólares, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto à Reuters nesta sexta-feira.

A Petrobras anunciou na quinta-feira o início de um período de exclusividade de 60 dias para negociar com a Alpek a venda da PetroquímicaSuape e da Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco, conhecida como Citepe. O período de exclusividade é prorrogável por outros 30 dias.

A Petrobras não comentou o assunto. A Alpek não respondeu a um e-mail pedindo comentários.

As duas unidades acumularam prejuízos de 5,6 bilhões de reais nos últimos dois anos, incluindo baixas contábeis relacionadas às investigações da Lava Jato.

As companhias produzem PTA, principal insumo para a resina PET, e filamentos de poliéster. A venda deve reduzir a dívida da Petrobras, bem como a necessidade de injetar mais dinheiro nas fábricas, que ainda continuam operando com prejuízo, acrescentou a fonte.

Além da venda de seus ativos petroquímicos em Pernambuco, a Petrobras tentou vender sua participação de 36 por cento na Braskem SA, a maior companhia petroquímica da América Latina.

As negociações foram interrompidas por falta de interesse de investidores em se tornarem acionistas minoritários do Grupo Odebrecht, que controla a Braskem e continua sob investigação na Operação Lava Jato.

A Odebrecht ofereceu neste mês sua participação de 38 por cento na Braskem como garantia aos bancos numa renegociação de dívida.