Concessionária do Galeão quer redução nas prestações da outorga por até 7 anos

sexta-feira, 29 de julho de 2016 20:42 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Rio Galeão, concessionária que administra o aeroporto internacional do Rio de Janeiro, quer uma redução do valor da parcela anual da outorga do aeroporto por um período de 5 a 7 anos, uma vez que a crise econômica reduziu a receita do grupo, disse à Reuters o presidente da empresa, Luiz Rocha.

Segundo o executivo, o tamanho da redução das parcelas ainda está sendo negociado com o governo. A proposta é que o valor da parcela seja compensado durante a concessão.

"O Brasil mudou", disse Rocha. "Não queremos carência, mas uma alteração da curva de pagamento, pagar uma parcela menor por um período, de algo entre 5 e 7 anos. A partir desse prazo pagaríamos uma parcela maior para compensar para que não haja perda do valor global", adicionou.

O consórcio assumiu o Galeão em 2014 após pagar 19 bilhões de reais pela concessão de 25 anos.

O executivo afirmou que com a crise econômica as projeções de ganho de receita se transformaram em perda de faturamento, abrindo um buraco nas contas.

"Essa parcela menor daria um fôlego para manter o negócio sustentável. Mas não nos passa pela cabeça devolver a concessão", frisou.

A parcela da outorga desse ano, de aproximadamente 900 milhões de reais, já está atrasada e o governo postergou o pagamento para o fim do ano. Mas o consórcio vai ter de pagar uma multa calculada em aproximadamente 70 milhões de reais.

"Não tinha outra opção. Esse é custo adicional para pagar em dezembro. Não havia alternativa", disse.

O grupo aguarda um crédito de longo prazo do BNDES prometido à época do leilão do terminal. O banco liberou um empréstimo ponte, exigindo novas garantias para liberar mais recursos.   Continuação...