Dólar tem leve queda ante real, com recuo dos preços do petróleo

terça-feira, 2 de agosto de 2016 17:05 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou com leve queda frente ao real nesta terça-feira, com a queda dos preços do petróleo tirando força do bom humor que permeou os negócios mais cedo em um dia de reações mistas nos mercados globais.

O dólar recuou 0,18 por cento, a 3,2661 reais na venda, após chegar a 3,2385 reais na mínima do dia. O dólar futuro operava perto do zero a zero no final da tarde.

"O mercado começou o dia animado, mas o otimismo perdeu um pouco de força depois que o (preço do) petróleo passou a cair", disse o operador de câmbio da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Preocupações com o excesso de oferta global de petróleo voltaram a derrubar as cotações da commodity nesta terça-feira após um início positivo no dia.

A alta dos preços do petróleo vista pela manhã puxou as contações de outras commodities relevantes para a América Latina, como o minério de ferro e o cobre, que alimentaram a demanda por moedas da região.

A apreensão com os movimentos das commodities foi em alguma medida compensada pela percepção de que os juros norte-americanos não devem voltar a subir tão cedo, após a alta de apenas 0,1 por cento do índice de preços PCE nos Estados Unidos em junho.

Os mercados também repercutiram o anúncio de 132 bilhões de dólares em medidas fiscais no Japão, que decepcionou alguns investidores que esperavam ações mais contundentes, mas levou o dólar a perder terreno em relação ao iene.

"O resumo geral é que o cenário externo hoje é misto e há motivos para comprar e vender moedas", disse mais cedo o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

No cenário local, investidores continuaram monitorando os passos do ajuste fiscal. Alguns demonstravam decepção após o governo aceitar alterar o projeto de renegociação da dívida dos Estados para garantir sua aprovação no Congresso Nacional, cuja votação, marcada para esta terça-feira.

Nesta manhã, o Banco Central novamente vendeu 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, repetindo a atuação que vem realizando quase diariamente desde o mês passado.