Royal Bank of Scotland tem prejuízo maior e se prepara para choques por saída da UE

sexta-feira, 5 de agosto de 2016 09:03 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O Royal Bank of Scotland divulgou ampliação nas perdas para o primeiro semestre nesta sexta-feira, além de 1,3 bilhão de libras em novos encargos com litígios, e descartou planos de transformar sua divisão Williams & Glyn em um banco autônomo, conforme se prepara para choques na economia britânica com a saída da União Europeia.

O RBS, que não teve nenhum lucro anual desde 2007, registrou 2,05 bilhões de libras em perdas para os seis primeiros meses do ano, ante prejuízo de 179 milhões de libras no primeiro semestre do ano passado.

O presidente-executivo do banco, Ross McEwan, está lutando para concluir uma vasta reestruturação, que inclui uma onda de vendas de ativos, cortes de postos de trabalho e encargos multibilionários para encerrar litígios e pagar multas regulatórias por má conduta passadas.

Essas questões complicaram a tarefa do RBS de encontrar negócios rentáveis em uma economia de juros baixos com demanda fraca por crédito, que agora enfrenta pressão pela decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia e um possível novo referendo sobre a independência da Escócia.

"Há mais trabalho a ser feito, mas estamos fazendo progresso", disse McEwan.

O RBS disse que não pretende mais construir uma plataforma de tecnologia independente para seu negócio Williams & Glyn, citando complexidade e o ambiente de juros mais baixos.