5 de Agosto de 2016 / às 20:17 / em um ano

Hambúrguer, o grande mercado dos EUA para a carne do Brasil, diz consultor

SÃO PAULO (Reuters) - O tradicional gosto dos norte-americanos por hambúrgueres pode se reverter em um grande negócio para a indústria brasileira de carne bovina, após o acordo sanitário assinado entre os dois países nesta semana, disse um consultor sênior do setor.

Com a oficialização do pacto, após negociações de 17 anos, o Brasil está liberado finalmente para exportar carne in natura para os EUA, que já são o principal mercado da chamada carne industrializada (cozida) brasileira.

“Existe uma coisa que precisa ser estudada: hambúrguer nos Estados Unidos tem até mercado futuro, o americano é tarado por hambúrguer”, disse o diretor técnico da consultoria IEG FNP, José Vicente Ferraz, ressaltando o potencial desse segmento para o Brasil.

O mercado dos EUA, os maiores consumidores globais de carne bovina, poderia representar exportações de 900 milhões de dólares para o Brasil, segundo estimativa do governo brasileiro, que também aponta benefícios indiretos do acordo, como a posterior a abertura de outros mercados como Japão e Coreia do Sul, importadores de carne de alta qualidade.

O Brasil é o maior exportador global de carne bovina.

O consultor da FNP citou ainda uma complementariedade muito grande para a oferta do Brasil, já que o hambúrguer normalmente é feito de “carne de segunda”, da parte dianteira dos bovinos, que tem preços bastante competitivos no Brasil, onde a preferência dos consumidores é pela picanha e outros cortes, produzidos com a parte traseira.

“Há uma complementariedade muito grande para o Brasil, que tem a maior parte da produção feita a partir de gado zebuíno, que produz uma carne com menos gordura entremeada... mas que para hambúrguer não tem importância... Então isso é uma vantagem importante para o Brasil.”

O analista comentou que o Brasil poderia exportar a parte dianteira do boi para produzir o hambúrguer nos EUA ou poderia exportar o hambúrguer pronto.

Como a carne de dianteiro é mais barata no Brasil, o país poderia ser bastante competitivo, apesar da uma tarifa de 26,4 por cento.

O Brasil ainda poderia exportar dentro de uma cota de 64,8 mil toneladas livre de tarifa (compartilhada com outros países), mas o consultor afirmou que seria preciso saber se o hambúrguer pronto entraria na cota.

Procurada para esclarecer temas sobre o assunto, a Abiec, associação que representa os exportadores, não respondeu imediatamente. Anteriormente, a entidade afirmou que os embarques começariam em setembro.

A presença da companhia brasileira JBS nos EUA, que tem um faturamento muito maior em território norte-americano do que no Brasil, também seria um facilitador de negócios.

“A JBS tem uma estrutura gigante, com marcas próprias, ela pode tanto importar matéria-prima para processar nas indústrias, como até mesmo importar do Brasil”, comentou Ferraz.

Procurada, a JBS informou que não vai comentar o assunto pois está em período de silêncio antes de resultados trimestrais.

MERCADO DE CORTES

O Brasil também teria competitividade para avançar no mercado de cortes nos Estados Unidos, principalmente na cota sem tarifa, disse o diretor da FNP.

Nesse segmento, na opinião de Ferraz, o Brasil entraria em um mercado que não é nem o da carne premium, concorrido por Uruguai, Austrália e Argentina, nem aquele de preços muitos baixos, dominado pela carne de Índia.

“Em princípio, acredito que nós devemos entrar em uma faixa média do mercado... É um produto de boa qualidade, mas que tem um preço mais baixo que o mercado premium”, disse ele, lembrando o Brasil aproveitaria justamente um segmento com participação de um maior número de consumidores.

Segundo ele, o embarque de carne in natura para o mercado de cortes começaria de forma mais lenta, até porque alguns exportadores ainda precisariam criar canais de distribuição. Já a exportação para hambúrgueres poderia avançar mais rapidamente.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below