Senador dos EUA Sanders critica impeachment no Brasil e defende nova eleição

terça-feira, 9 de agosto de 2016 11:07 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O senador norte-americano Bernine Sanders, que foi derrotado nas eleições primárias para a escolha do candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, criticou o processo de impeachment contra Dilma Rousseff, disse que os EUA não podem ficar parados enquanto são minadas as instituições democráticas do Brasil e defendeu eleições como solução para a disputa política no país.

"Estou profundamente preocupado com o atual esforço para remover a presidente democraticamente eleita do Brasil, Dilma Rousseff", afirmou Sanders em um comunicado em seu site oficial. "Para muitos brasileiros e observadores o controversso processo de impeachment se parece mais com um golpe de Estado."

Desde o início do processo de impeachment, Dilma e seus aliados têm realizado um grande esforço na busca de apoio internacional contra o que chamam de golpe, afirmando que a presidente afastada não cometeu crimes de responsabilidade como diz a acusação.

Sanders, que teve um desempenho melhor que o esperado inicialmente nas primárias democratas, criticou o fato de o governo do presidente interino Michel Temer ter extinto o Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, além de ter substituído "uma administração diversificada e representativa por um gabinete inteiramente de homens brancos".

No comunicado, Sanders lembra que o governo interino não foi eleito mas "rapidamente anunciou planos para impor austeridade, aumentar a privatização", além de implementar o que classificou de "uma agenda social de extrema-direita".

"O esforço para remover a presidente Rousseff não é um processo legal, mas sim político. Os Estados Unidos não podem ficar sentados silenciosamente enquanto as instituições de um de seus mais importantes aliados são minadas", disse Sanders.

"Precisamos nos colocar ao lado das famílias trabalhadoras do Brasil e demandar que a disputa seja resolvida com eleições democráticas."

(Por Alexandre Caverni)