Dono da Vivendi acirra batalha de barões da mídia com Berlusconi

sábado, 13 de agosto de 2016 14:50 BRT
 

PARIS (Reuters) - Quando o magnata francês Vincent Bollore desistiu de um acordo para comprar o negócio de TV paga da emissora italiana Mediaset para, em vez disso, assumir uma fatia da controladora, investidores temiam que ele estivesse armando uma arapuca.

A família do ex-premier italiano, Silvio Berlusconi, que controla a Mediaset, suspeitou que Bollore tentaria diminuir seu controle sobre a empresa, olhando para sua história de estrategista empresarial agressivo.

Através de investimentos astutos e métodos furtivos de controle de mais de três décadas, o grupo de Bollore passou de uma empresa familiar de papéis finos a um conglomerado global que abrange logística e transporte, de armazenamento de energia, comunicações e recursos de mídia, incluindo a Vivendi.

A Vivendi em abril concordou comprar a totalidade da unidade de televisão por assinatura da Mediaset Premium, como parte de um acordo em que as duas empresas de mídia assumiriam uma fatia de 3,5 por cento uma da outra.

Mas no mês passado, propôs novos termos: compraria apenas 20 por cento da unidade, e compraria bônus que poderiam ser convertidos em participação de 15 por cento na dona da Mediaset. Ele disse que a mudança resultou de diferenças com a Mediaset na análise das previsões financeiras para o Premium.

O Berlusconis viram a situação de forma muito diferente. Sua holding Fininvest disse que a razão real da Vivendi para mudança era construir secretamente uma grande participação na Mediaset.

A Vivendi se recusou a comentar. O presidente Arnaud de Puyfontaine disse ao jornal italiano Corriere della Sera que não tem planos para assumir a Mediaset. A emissora italiana teve prejuízo de 27,8 milhões de euros no primeiro semestre.

Bollore não falou publicamente sobre prep Mediaset, e não pôde ser contatado para comentar o assunto.