18 de Agosto de 2016 / às 16:16 / um ano atrás

CORREÇÃO-Petrobras poderá injetar recursos na Paralimpíada, diz fonte

Logo dos Jogos Paralímpicos Rio 2016 visto em cerimônia no Rio de Janeiro. 26/11/2011 REUTERS/Andre Durao

(Diferentemente do que foi informado anteriormente pela Reuters, o Banco do Brasil não está entre os bancos estatais mencionados em reportagem da Bloomberg de quarta-feira. Procurado, o BB informou que não patrocinará a Paralimpíada)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras poderá comprar direitos de marketing para os Jogos Paralímpicos, carentes de recursos e marcados para setembro, afirmou à Reuters uma fonte envolvida nas negociações.

O apoio, se aprovado, poderia ajudar a reduzir o déficit orçamentário dos jogos, agora que um juiz derrubou uma liminar impedindo a utilização de novos fundos públicos para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que já custaram 40 bilhões de reais.

A petroleira está disposta a comprar direitos de publicidade e marketing de “poucos milhões” de dólares para os Jogos Paralímpicos, disse a fonte.

“A Petrobras tem problemas financeiros próprios, mas ela já foi abordada por organizadores e parece haver espaço para encontrar um bom negócio”, disse a fonte, que pediu anonimato porque as negociações estão em andamento.

A Petrobras, que tem quase 125 bilhões de dólares de dívida, a maior da indústria de petróleo, não havia comprado os direitos Olímpicos por causa dos altos custos e limites para o uso de seus atletas patrocinados durante os Jogos, disse a fonte.

A Petrobras quer que os organizadores dos Jogos desistam da proibição da utilização de seus atletas em publicidade e está considerando a publicidade tradicional em locais.

Os custos excessivos, a pior recessão do Brasil em décadas e uma decisão de reforçar a segurança na sequência dos ataques terroristas internacionais aumentaram os gastos orçamentários dos Jogos.

A Petrobras e os bancos estatais Caixa Econômica Federal e BNDES vão fornecer 100 milhões de reais de patrocínio para os Jogos Paralímpicos antes do evento começar, publicou a Bloomberg News na quarta-feira, citando um funcionário do governo envolvido na negociação.

O apoio do governo foi permitido na quarta-feira, depois que um juiz brasileiro suspendeu uma liminar sobre o uso de fundos públicos para os Jogos.

Em 4 de agosto, o governo federal ofereceu 120 milhões de reais em ajuda de emergência para os organizadores. A cidade do Rio de Janeiro, em melhor forma do que o governo conturbado do Estado do Rio, ofereceu mais de 150 milhões de reais.

O Ministério Público venceu a liminar após argumentar que a restauração dos cortes do governo do Rio em saúde, educação, policiamento, demais serviços públicos, e o pagamento de salários atrasados de funcionários públicos e pensionistas deveriam ter prioridade sobre os Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

Sem novos fundos, disse o juiz, o comitê organizador Rio 2016 não seria capaz de pagar deslocamentos, alimentação e uniformes, tornando impossível para alguns países competirem.

Por Jeb Blount e Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below