Isolux diz que negociação de linhas de energia no país com Brookfield tem bom ritmo

terça-feira, 23 de agosto de 2016 11:58 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo espanhol Isolux afirmou nesta terça-feira que negocia a venda de suas concessões em transmissão de energia elétrica no Brasil para a gestora canadense de recursos Brookfield Asset Management e que as conversas estão se desenvolvendo bem.

A Isolux havia afirmado anteriormente que estava negociando a venda dos ativos, mas não divulgou o nome dos interessados, conforme reportagem da Reuters do dia 10 de agosto. Brookfield e a chinesa State Grid tinham sido apontadas por uma fonte como interessados.

"Quanto às negociações com Brookfield, pode-se afirmar que seguem em bom ritmo", afirmou a Isolux, em nota enviada à Reuters pela assessoria de imprensa.

A Isolux, que passa por uma reestruturação que envolve acordo com credores após dificuldades financeiras de sua matriz na Espanha, possui cerca de 4,7 mil quilômetros em linhas de transmissão de energia em operação no Brasil, além de projetos em andamento.

Segundo documento visto pela Reuters, a companhia afirmou em reunião com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no final de julho que pretende repassar suas concessões no Brasil a outros investidores, focando a atuação como construtora de linhas de transmissão.

A mudança de posicionamento é parte da reestruturação das operações do grupo, segundo a ata da reunião, que contou com a presença do diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, e da CEO da Isolux Corsan Concessões, Marta Martinez, entre outros participantes.

A Isolux chegou a comentar com a Aneel a possibilidade de a Brookfield participar da reunião, dadas as tratativas entre as companhias, mas não houve presença de executivos do grupo canadense no encontro.

O grupo canadense Brookfield tem mostrado grande interesse por ativos no Brasil. Atualmente a companhia negocia uma possível aquisição da Odebrecht Ambiental, segundo fontes, e da Nova Transportadora do Sudeste (NTS), unidade de gasodutos da Petrobras.

Em julho, a Brookfield levantou 14 bilhões de dólares para um fundo global de infraestrutura que buscará boas oportunidades ao redor do globo.

Procurada, a Brookfield disse que não iria comentar a informação.